06:14 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Porta-aviões Liaoning participando de manobras da Marinha do Exército Popular de Libertação da China, 18 de abril de 2018

    Pequim aumenta seu poder militar no mar do sul da China

    © REUTERS / China Stringer Network
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3260

    A China instalou mísseis de cruzeiro antinavio e sistemas de mísseis terra-ar em três dos seus postos avançados no mar do sul da China, informou a rede de notícias norte-americana CNBC nesta quarta-feira (2).

    Estes seriam os primeiros mísseis instalados nas Ilhas Spratly — um território revindicado por vários países asiáticos, incluindo o Vietnã e Taiwan.

    Procurado, o Ministério da Defesa da China não se pronunciou. 

    A CNBC entrevistou fontes da inteligência dos Estados Unidos que falaram sob anonimato. 

    O Departamento de Defesa dos EUA, que diz se opor à militarização da região, não quis comentar. "Não comentamos questões de inteligência", disse um porta-voz.

    A China não falou sobre as possíveis novas instalações, mas diz que seus equipamentos militares nas Ilhas Spratly são puramente defensivos e que pode fazer o que quiser em seu próprio território.

    Greg Poling, especialista em mar do sul da China no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington, disse que a implantação de mísseis nos postos é importante porque são os primeiros a serem instalados nas Ilhas Spratly.

    Ele acrescentou que tais desdobramentos são esperados já que a China construiu abrigos antimísseis nos arrecifes no ano passado e já implantou esses sistemas de mísseis em Woody Island, mais ao norte.

    Poling disse que este passo é importante no plano de Pequim de dominar o mar do sul da China, uma importante rota comercial global.

    "Antes disso, se você fosse um dos outros pretendentes… você sabia que a China estava monitorando todos os seus movimentos. Agora você saberá que está operando dentro do alcance dos mísseis chineses. Essa é uma ameaça muito forte, embora implícita", afirmou.

    A CNBC disse que os mísseis de cruzeiro antinavio YJ-12B permitirão que a China ataque embarcações dentro de 295 milhas náuticas. Segundo a emissora, os mísseis terra-ar de longo alcance HQ-9B podem ter como alvo aviões, drones e mísseis de cruzeiro a 160 milhas náuticas.

    No mês passado, o almirante norte-americano Philip Davidson, nomeado para chefiar o Comando do Pacífico dos EUA, disse que as "bases operacionais avançadas" do mar do sul da China pareciam completas.

    "A única coisa que falta são as forças implantadas", disse ele. Uma vez que estas forem adicionados, "a China será capaz de estender sua influência milhares de quilômetros ao sul e projetar o poder para dentro da Oceania".

    Davidson disse que a China poderia usar as bases para desafiar a presença regional dos EUA e "facilmente submergiria as forças militares de quaisquer outros demandantes do mar da China meridional".

    "A China agora é capaz de controlar o mar da China meridional em todos os cenários, com exceção da guerra com os Estados Unidos", disse o militar estadunidense.

    Mais:

    China poderia ser excluída das negociações de paz na península coreana
    China e Índia preferem resolver diferenças com 'maturidade e sabedoria'
    Senadores dos EUA exigem saber do governo se a China assedia dissidentes no exterior
    China é contra ações na Síria sem autorização do Conselho de Segurança da ONU
    Bombardeiros dos EUA sobrevoam proximidades do mar do sul da China
    Senado dos EUA aprova resolução exigindo que China respeite direitos humanos no Tibete
    Irã pede que Rússia e China elaborem estratégia comum para combater EUA
    Ministério da Defesa da China revela segredo do seu novo míssil balístico
    Tags:
    Ilhas Spratly, Mar do Sul da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik