04:22 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento de mísseis balísticos pela Coreia do Norte (foto de arquivo)

    Mídia: conselheiros de Trump consideram novo rumo da Coreia do Norte como 'armadilha'

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    19218

    Os conselheiros do presidente norte-americano Donald Trump estão céticos em relação à suspensão dos testes nucleares e dos lançamento de mísseis pela Coreia do Norte, considerando as promessas de Pyongyang como uma "armadilha", informou o jornal The Washington Post.

    Segundo a publicação, o líder norte-coreano decidiu fazer "promessas relativamente modestas" para depois voltar atrás. Os conselheiros acreditam que Kim Jong-un quer "criar a impressão" de que é "sensato" e de que está pronto a assumir um compromisso. Em decorrência disso, os EUA terão mais dificuldade de recusar futuras exigências da Coreia do Norte.

    Alguns deles também veem a declaração de Pyongyang como uma tentativa de forçar os EUA e seus aliados a aliviarem as sanções econômicas.

    Mais cedo, a Coreia do Norte anunciou um novo rumo estratégico. A partir de 21 de abril, o país suspendeu seus testes nucleares e lançamentos de mísseis para se concentrar exclusivamente no desenvolvimento da economia. Com isso, Pyongyang se junta ao processo global de desarmamento nuclear.

    O novo rumo foi adotado na véspera da cúpula marcada para 27 de abril com a Coreia do Sul e do encontro programado com presidente dos EUA, Donald Trump. Anteriormente, a Casa Branca informou que a cúpula dos dois líderes será realizada em maio ou no início de junho.

    Mais:

    'O que a Coreia do Norte quer é garantia de segurança dos EUA', diz especialista
    Japão diz que promessa da Coreia do Norte sobre fim de testes é insuficiente
    Não é só bomba nuclear: Trump quer que Coreia do Norte elimine armas químicas e biológicas
    Tags:
    mísseis, testes nucleares, Casa Branca, Donald Trump, Kim Jong-un, EUA, Pyongyang, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik