12:28 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira do Taiwan

    Após premiê falar em independência, Taiwan e China trocam farpas na Ásia

    © flickr.com/ Flickr
    Ásia e Oceania
    URL curta
    334

    O governo de Taiwan disse nesta terça-feira que a China está incitando a mídia a ameaçar a ilha após um grande jornal estatal afirmar que Pequim deve emitir um mandado de prisão internacional para o seu primeiro-ministro por seus comentários sobre a independência.

    Taiwan é uma das questões mais sensíveis da China. A ilha é reivindicada por Pequim como seu território sagrado e a China nunca renunciou ao uso da força para trazer sob controle chinês o que considera ser uma província rebelde.

    A hostilidade da China a Taiwan aumentou desde que Tsai Ing-wen, do Partido Democrático Progressista pró-independência, foi eleita presidente de Taiwan em 2016. A China teme que ela deseje independência formal, embora Tsai diga que quer manter o status quo e está comprometida com a paz.

    Depois que o primeiro-ministro de Taiwan, William Lai, disse ao parlamento na sexta-feira que era um "trabalhador independente de Taiwan" e que sua posição era de que Taiwan era um país independente e soberano, o tabloide chinês Global Times disse que ele deveria ser processado sob a Lei Anti-secessão, de 2005.

    "Se a evidência de seus crimes for forte, um aviso global pode ser feito para ele", escreveu a publicação, por sua vez ligada ao jornal People's Daily, do Partido Comunista, no sábado.

    Na segunda-feira, o Departamento de Assuntos de Taiwan da China comentou que os comentários de Lai eram "perigosos e presunçosos", que prejudicam a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan e que Taiwan nunca será separada da China.

    Por sua vez, o Conselho de Assuntos Continentais de Taiwan disse que os comentários do Global Times e do governo chinês são "intimidadores e irracionais".

    "Taiwan é uma sociedade democrática e pluralista", afirmou, acrescentando que Lai seguiu consistentemente a política do presidente de manter a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan.

    A China "manipulou repetidamente a mídia e os chamados 'usuários da internet' para ameaçar e reprimir o governo e o povo de Taiwan, tentando usar golpes militares e ameaças legais para violar nossa dignidade e interesses", disse o conselho.

    "Isso não é o que uma parte responsável deveria estar fazendo. Isso só aumentará as relações de antagonismo e dano através do Estreito", acrescentou.

    "Nos últimos dois anos, nosso governo não sentiu 'animosidade em relação à China'", disse o conselho. "Mas a China continental precisa encarar a realidade dos governos de ambos os lados do Estreito de Taiwan e respeitar a democracia e a vontade de Taiwan de seu povo".

    O presidente chinês, Xi Jinping, disse no mês passado que Taiwan enfrentaria a "punição da história" por qualquer tentativa de separatismo, oferecendo seu mais forte aviso até a ilha.

    Mais:

    China circula Taiwan com bombardeiros e caças
    EUA voltam a provocar China com venda de armas para Taiwan
    China exige fim do acordo de armas entre EUA e Taiwan
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, política, província rebelde, independência, Tsai Ing-wen, William Lai, Xi Jinping, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik