19:28 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Ministro paquistanês Khawaja Muhammad Asif

    Paquistão frustra tentativa de recolocar país em lista de financiadores do terrorismo

    © Sputnik / Grigoriy Sisoev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    570

    O Paquistão frustrou uma tentativa dos Estados Unidos em recolocar o país em uma lista de vigilância do financiamento do terrorismo, disse o ministro de Relações Exteriores, Khawaja Asif, na última terça-feira, acrescentando que Islamabad recebeu um indulto de três meses de uma organização internacional.

    Asif revelou que o país não seria colocado de volta na lista de observação da Força Tarefa de Ação Financeira (FATF) – na qual esteve de 2012 a 2015 - apesar dos esforços dos EUA.

    "Nossos esforços foram recompensados, a reunião de conclusão [em] Paris [da] FATF em 20 de fevereiro sobre a moção liderada pelos EUA para colocar o Paquistão na lista de observação [...] Nenhum consenso para a indicação do Paquistão, propondo três meses de pausa e pedindo ao APG [Grupo Ásia-Pacífico] para outro relatório ser concluído em junho", escreveu o ministro, acrescentando:" Agradecido aos amigos que ajudaram".

    Washington prometeu endurecer as relações com Islamabad por seus alegados laços com militantes islâmicos. No início de janeiro, a Casa Branca suspendeu um aporte financeiro relacionado à segurança no Paquistão no valor de US$ 2 bilhões.

    O Paquistão repetidamente negou abrigar ou apoiar militantes no Afeganistão e na Índia. Acredita-se que o movimento recente de Islamabad para proibir os grupos Jamaat-ud-Dawa (JuD), bem como a Fundação Falah-e-Insaniat (FIF), dirigida pelo líder islâmico Hafiz Saeed, com sede no país, que Washington designou terrorista, ajudou a vencer o indulto.

    A porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, disse a repórteres na semana passada que a "comunidade internacional tem esse tipo de preocupação de longa data quando se trata do governo do Paquistão sobre o que consideramos deficiências na implementação de combate à lavagem de dinheiro, contra-terrorismo e outros tipos de problemas semelhantes a isso".

    Perguntado se Washington estava feliz com uma nova lei paquistanesa destinada a impulsionar as capacidades antiterroristas do país, Nauert disse que não tinha informações suficientes sobre a lei para comentar.

    O ministro das Finanças do Paquistão, Miftah Ismail, disse à Agência Reuters em meados de fevereiro que os EUA e o Reino Unido apresentaram a moção e depois persuadiram a França e a Alemanha a co-patrociná-lo.

    "Estamos agora trabalhando com os EUA, Reino Unido, Alemanha e França para que a nomeação seja retirada", disse Ismail. "Também temos esperança de que mesmo que os EUA não tenham retirado a nomeação que prevaleceremos e não seremos colocados na lista de vigilância".

    Nos últimos meses, o Paquistão tem lutado para evitar ser adicionado a uma lista de países considerados em não conformidade com os regulamentos contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo pelo FATF.

    Mais:

    Tensão: Índia nega resposta militar ao Paquistão após ataque na Caxemira
    Quais são os perigos do triângulo nuclear formado por China, Índia e Paquistão?
    Pressionado contra a parede: por que Paquistão precisa de armas russas?
    Tags:
    diplomacia, ajuda financeira, terrorismo, Fundação Falah-e-Insaniat (FIF), Jamaat-ud-Dawa (JuD), Miftah Ismail, Hafiz Saeed, Heather Nauert, Khawaja Asif, Índia, Afeganistão, Estados Unidos, Islamabad, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar