14:03 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Oficiais da marinha chinesa (arquivo)

    Contrapondo exercícios dos EUA, China realiza manobras na península coreana

    © AFP 2019/ FREDERIC J. BROWN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5150
    Nos siga no

    A Marinha chinesa iniciou exercícios militares próximos à Península Coreana, disparando rodadas de munições. Os exercícios chineses espelham manobras semelhantes às já em andamento pelos EUA e seus aliados, informou o South China Morning Post.

    O exercício de quatro dias da China começou na tarde de quinta-feira e terminará na segunda-feira às 16h (horário local), informou a Administração de Segurança Marítima de Liaoning.

    A agência de segurança marítima demarcou uma área retangular a oeste de Dalian, na província de Liaoning, na China. A marinha de Pequim opera uma base chave para a frota marítima em Dialian, de acordo com o SCMP. Não está claro quantos navios participarão no exercício.

    Japão, Coreia do Sul e navios dos EUA uniram forças para praticar a detecção de lançamentos de mísseis balísticos esta semana. Quatro destroyers de mísseis guiados, dois da Marinha dos EUA, um da sul-coreanas e outro da japonesa, participaram da simulação que marcou a sexta cooperação naval trilateral desde o início de 2017. Cada destroyer está equipado com um sistema de defesa antimíssil fabricado nos EUA. O sistema pode, teoricamente, detectar, rastrear e neutralizar mísseis balísticos.

    No último dia 6, a Força Aérea do Exército de Libertação do Povo realizou voos de treinamento "em rotas e áreas que nunca sobrevoadas antes" sobre o Mar Amarelo, dividindo a China e a Península da Coreia, bem como o Mar da China Oriental entre a China e a Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

    Tags:
    destroyer, Administração de Segurança Marítima de Liaoning, Marinha dos EUA, Marinha da China, Força Aérea da China, Estados Unidos, Coreia do Norte, Liaoning, Japão, Coreia do Sul, Mar da China Oriental, Península Coreana, Mar Amarelo, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar