12:50 02 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    140
    Nos siga no

    A estrela aposentada da NBA, Dennis Rodman, está convencida de que o líder norte-coreano e o presidente dos EUA "são praticamente a mesma pessoa", com a ameaça de uma guerra nuclear sendo apenas "entretenimento".

    Apesar de Kim Jong-un e Donald Trump muitas vezes se entregarem a trocar insultos pessoais, recorrendo a termos e nomes peculiares, os dois não são diferentes, disse o ex-jogador de basquete à AFP. 

    "Eles adoram o controle", disse Rodman. Enquanto a guerra de palavras ríspidas entre os dois políticos ocasionalmente aumenta para ameaças de aniquilação, as advertências nucleares são apenas "entretenimento", na opinião do ex-jogador.

     "Ninguém tem nenhum dedo no botão", disse Rodman, de 56 anos.

    O ex-atleta de Chicago Bulls, Detroit Pistons e Los Angeles Lakers fez suas declarações em Pequim, de onde ele aguardava para partir para Pyongyang. "Nós pensamos que devemos dar uma chance enquanto estamos aqui", disse ele.

    Apoio nulo de Washington

    Rodman havia instado o presidente dos EUA a organizar sua sexta viagem para a Coreia do Norte, de modo que "as coisas vão se acalmar um pouco", disse ele ao jornal britânico The Guardian na segunda-feira. No entanto, o Departamento de Estado dos EUA criticou suas esperanças, dizendo ao ex-atleta que não era "um bom momento agora". 

    Os cidadãos dos EUA foram proibidos de visitar a Coreia do Norte após a morte do estudante americano Otto Warmbier, que havia sido mantido em uma prisão norte-coreana há mais de um ano. 

    O jogador aposentado da NBA se tornou diplomata voluntário e disse que poderia "aliviar algumas pressões até a comunicação" entre Washington e Pyongyang. Como parte de seus esforços de mediação, Rodman pretende organizar um jogo de basquete entre jogadores da Coreia do Norte e o território norte-americano de Guam no "local neutro" de Pequim. A partida "daria algo histórico para todos verem" e demonstraria que "não há ódio".

    As visitas anteriores de Rodman à Coreia do Norte estabeleceram as bases para o seu vínculo com o "marechal" Kim Jong-un, que é um "cara do século 21", disse ele. Enquanto Kim "provavelmente quer fazer muitas coisas que são realmente positivas", a "estrutura do sistema norte-coreano" não o deixa fazer ", disse Rodman. 

    "Ele quer puxar esse gatilho com o qual ele quer deixar seu povo mais livre". Além de cantar músicas de rock, fumar charutos e jogar partidas com Kim, que "vive e respira basquete", Rodman tem mantido três "pedidos bastante razoáveis" que ele recebeu de Kim durante suas viagens anteriores para passar para o líder dos EUA. 

    "Tudo isso comigo, [Kim] e Donald Trump — é toda uma dinâmica diferente agora", disse ele. Provavelmente não convencido, Trump "me disse para sair disso", acrescentou Rodman.

    Mais:

    Moscou: apesar da situação na Coreia, EUA aceleram atividades militares na região
    ONU: Coreia do Norte concorda com a necessidade de 'evitar uma guerra'
    Coreia do Norte prepara túnel para novo teste nuclear, dizem analistas dos EUA
    Tags:
    guerra, relações bilaterais, diplomacia, NBA, Donald Trump, Kim Jong-un, Dennis Rodman, Estados Unidos, China, Pyongyang, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar