13:09 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Mulheres do Exército da Indonésia marcham em desfile militar em Jakarta, 6 de junho de 2002

    Pare com 'violência sexual': Indonésia continua praticando 'provas de virgindade'

    © AFP 2017/ OKA BUDHI
    Ásia e Oceania
    URL curta
    320

    A Human Rights Watch (HRW) condena as invasivas provas de "dois dedos", praticadas na Indonésia em mulheres solteiras que se candidatam a postos da polícia ou do exército indonésios.

    A organização internacional não governamental Human Rights Watch (HRW) condenou as provas de virgindade feitas em mulheres solteiras que desejam servir o exército ou trabalhar como policiais do país asiático.

    A organização, que visa garantir o cumprimento dos direitos humanos em todo o mundo, solicitou que país asiático abandone a "invasiva" prática, realizada há décadas.

    "O presidente indonésio, Joko Widodo, deve ordenar a proibição imediata de chamadas 'provas de virgindade' das candidatas", anunciou a HRW, destacando que a "prova de dois dedos" primitiva — praticada para determinar se o hímen das candidatas está intacto — não é somente "doloroso, vergonhoso e traumático", mas tampouco "tem fundamento científico".

    Nisha Varia, responsável pela proteção dos direitos das mulheres na HRW, indicou que estas "discriminatórias e degradantes" provas impedem que mulheres indonésias tenham o mesmo acesso a oportunidades de trabalho e refletem falta de vontade política para proteger os direitos da população feminina.

    Ao mesmo tempo, a Organização Mundial da Saúde qualifica as "provas de virgindade" como uma das formas de violência sexual.

    O contingente militar tem noção sobre os exames vergonhosos, mas não pode lidar com o problema, indica à HRW um médico militar local, explicando que "exército é uma organização hierárquica. Temos que seguir as ordens".

    Militares de alto escalão das Forças Armadas do país, por sua vez, insistem que tais "exames" lhes permitem separar "mulheres amorais" que, em sua opinião, não merecem servir o exército.

    No entanto, segundo informação publicada pela BBC, não só candidatas ao serviço militar são sujeitas a essas provas, mas também as noivas de oficiais antes da Lua de Mel.

    Mas não para por aí, em 2015, as autoridades locais de uma região da ilha de Java tentaram introduzir as mesmas provas de virgindade em estudantes do Ensino Secundário.

    O plano previa dar Certificado Geral do Ensino Secundário (GCSE) somente às estudantes que passassem nos testes de virgindade.

    Depois de vários protestos, os planos foram cancelados.

    Mais:

    Esporte mata interesse das mulheres pelo sexo
    Mulheres combatentes curdas celebram libertação de Raqqa
    Poder feminino! Mulheres armadas roubam a cena em exposições bélicas mundiais
    Polícia da Alemanha recomenda que mulheres não se exercitem sozinhas para evitar estupro
    Mulheres russas estão cada vez mais interessadas em servir nas Forças Armadas
    Coragem sem precedentes: mulheres curdas pegam em armas para combater Daesh (FOTOS)
    Tags:
    candidatas, polícia, serviço militar, violação de direitos, virgindade, exames médicos, provas, HRW, Exército, Java, Indonésia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik