07:50 21 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados sul-coreanos observam a parte da Coreia do Norte (arquivo)

    Seul em alerta: que esperar das manobras militares de inverno de Pyongyang?

    © AP Photo/ Ahn Young-joon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2163623

    As manobras militares de inverno de Pyongyang vão começar em dezembro e, provavelmente, terminar em abril, afirmou o chefe do Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

    O exército da Coreia do Norte está se preparando para os "exercícios de inverno" e os militares sul-coreanos mantêm "plena prontidão combativa" mantêm "plena prontidão combativa" em meio de possíveis provocações, de acordo com a informação do exército sul-coreano, citado pelo RT.

    Segundo afirmou na segunda (13) o Estado-Maior conjunto da Coreia do Sul, há sinais de que o exército norte-coreano está se preparando para os exercícios de inverno, que vão começar em dezembro e terminar em abril.

    Atualmente as tropas de Pyongyang "estão realizando exercícios de campo ordinários" mas "nosso exército mantém um estado de preparação completa em meio da possibilidade de provocações por parte da Coreia do Norte", explicou um responsável militar sul-coreano em uma coletiva de imprensa.

    Manobras de grande escala e "argumento" dos EUA para uma guerra nuclear

    Ao mesmo tempo, continuam as manobras conjuntas dos EUA, da Coreia do Sul e do Japão no mar do Japão (também conhecido como mar Leste) e no mar do Sul da China. 

    Os exercícios contam com a participação de navios japoneses e sul-coreanos, bem como de 11 embarcações dos EUA equipadas com sistemas de defesa antimíssil Aegis, e visam treinar o combate aéreo defensivo. 

    Mais:

    Opinião: existem 5 opções como EUA podem destruir Coreia do Norte em uma guerra
    Trump: 'A Ásia não pode viver sob a ameaça da ditadura da Coreia do Norte'
    Tags:
    tensões, ameaça, guerra, provocação, prontidão de combate, exercício militar, manobras, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik