19:50 24 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Segundo especialistas norte-americanos, o mapa de Guam, projetado na parede, estaria desatualizado

    Desertor político lança luz sobre verdadeira resposta de Pyongyang a um ataque dos EUA

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    383915

    O mundo se questiona quanto à magnitude que uma ofensiva norte-coreana teria caso aconteça um ataque estadunidense, algo que um desertor do país asiático revelou agora.

    Um desertor diplomático norte-coreano de alto nível, Thae Yong-ho, informou o Congresso dos EUA de que um ataque militar dos EUA provocaria uma represália automática por parte de Pyongyang, o país responderia automaticamente com artilharia e mísseis de curto alcance contra a Coreia do Sul, informa o RT.

    Thae Yong-ho, antigo vice-chefe da Embaixada da Coreia do Norte em Londres, desertou em 2016 e comunicou essa informação na quarta (01) falando perante o Comitê de Relações Exteriores da Câmara de Representantes dos EUA.

    O ex-diplomata assegurou que, no caso de um conflito militar, os EUA e a Coreia do Sul ganhariam a guerra, embora esta fosse um grave "sacrifício humano". 

    "A Coreia do Norte possui dezenas de milhares de canhões de artilharia e mísseis de curto alcance na linha de demarcação militar. Além do mais, os soldados norte-coreanos estão treinados para abrir fogo contra a Coreia do Sul diante de qualquer bombardeiro ou ataque militar dos EUA", assegurou Thae. 

    No caso de um conflito armado na península da Coreia, a Coreia do Sul pode sofrer um número elevado de vítimas. Os cálculos mais pessimistas apontam para mais de 100 mil mortos só nas primeiras 48 horas de uma guerra. 

    Mais:

    EUA: Coreia do Norte pode alcançar Califórnia com seus mísseis
    'Vamos todos morrer': EUA avaliam baixas em uma possível guerra com Coreia do Norte
    Tags:
    bombardeiro nuclear, canhões, mísseis, artilharia, represália, ataque, diplomata, desertor, Congresso, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik