00:31 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente chinês Xi Jinping (foto de arquivo)

    Xi é o novo Mao? Pode ser que na China se tenha dado 'golpe de Estado incruento'

    © AP Photo / Jason Reed, Pool
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6101
    Nos siga no

    Os delegados do XIX Congresso Nacional do Partido Comunista da China aprovaram uma série de emendas em sua Carta. A mais importante delas foi a introdução do nome e das principais ideias de Xi Jinping no texto do principal documento do partido.

    Os delegados, particularmente, aprovaram por unanimidade a emenda que menciona "a ideia de Xi sobre o socialismo com as caraterísticas chinesas para uma nova era".

    Deste modo, Xi Jinping se converteu no segundo líder chinês — após o primeiro presidente, Mao Tsé-Tung, cujo nome foi incluído na carta desta força política antes do término de seu mandato.

    No documento também figura o nome do ex-líder chinês e importante reformador do país, Deng Xiaoping.

    Algumas mídias asseguram que estes acontecimentos são inclusive "equivalentes a um golpe de Estado incruento", depois do qual o atual líder do país ficou oficialmente "intocável".

    "Este é um passo simbólico e importante para fortalecer a posição de Xi dentro do partido", disse à Sputnik Aleksandr Gabuev, chefe do programa Rússia na Ásia-Pacífico do Centro Carnegie em Moscou. De acordo com ele, trata-se da etapa da transformação de Xi em um líder tão poderoso como Mao Tsé-Tung.

    Luta contra corrupção e nova Rota da Seda

    Nas cláusulas da Carta também se registraram as iniciativas de Xi sobre a luta contra a corrupção. De acordo com o presidente do país asiático, "o partido deve aplicar com firmeza o autocontrole e seguir de perto suas atividades em todos os aspectos".

    Na abertura do Congresso, Xi Jinping qualificou a corrupção como a maior ameaça que o partido hoje em dia enfrenta. Nos últimos cinco anos, na China se iniciaram as investigações da "violação da disciplina do partido" em respeito a 440 funcionários regionais e nacionais, alguns deles membros do partido.

    A iniciativa global "Um Cinturão e uma Rota" para a criação de três corredores econômicos também foi incluída na Carta. O documento também consolidou a postura de Xi que defende um "controle absoluto" do Partido Comunista das Forças Armadas do país.

    'Caminho ao culto da personalidade'

    Elizabeth Economy, diretora de Estudos Asiáticos do Conselho de Relações Exteriores, com sede em Nova York, explicou à agência Bloomberg que a consolidação da ideologia de Xi Jinping no documento significa que agora o político passa a ser percebido como um dos principais transformadores do país, junto com Mao e Deng. Trata-se da "consolidação do poder em torno de Xi", algo que lhe permitirá influenciar nas políticas da China durante décadas.

    "Consolidou seu poder já antes do XIX Congresso. Tomou em suas mãos praticamente todos os âmbitos da política. Por isso se pode dizer que está se dirigindo até o culto de personalidade. Mas, na verdade, não foi introduzido nada ideológico", assinalou o vice-reitor da Academia Diplomática de Assuntos Exteriores da Rússia, Aleksandr Lukin.

    De acordo com a Constituição chinesa, o chefe de Estado pode assumir o cargo durante dois mandatos consecutivos, ou seja, por 10 anos, mas Lukin acredita que até agora tudo indica que Xi poderia permanecer no poder durante mais tempo.

    Mais:

    Medo na Ásia: povos de 6 países temem o crescimento militar da China
    Dragão de Neve: por que China está tão interessada em efetuar projetos no Ártico?
    Armas nucleares submarinas da China: a ameaça nuclear mais perigosa do mundo?
    Tags:
    culto, Partido Comunista da China, Mao Tsé-Tung, Xi Jinping, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar