19:37 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Lançadores múltiplos de foguetes vistos quando estavam disparando durante um treinamento em lugar desconhecido da Coreia do Norte (foto de aqruivo)

    Coreia do Norte planeja pacificar os EUA e promete responder ao fogo com fogo

    © REUTERS/ KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    34382131

    Enquanto as tensões em torno do programa nuclear da Coreia do Norte continuem se agravando, o Ministério das Relações Exteriores norte-coreano disse que Pyongyang não vai realizar conversações sobre suas armas nucleares e acrescentou que o mundo ocidental terá que reconhecer o estatuto nuclear da Coreia do Norte.

    De acordo com a porta-voz do ministério, Pyongyang vive em condições de perigo nuclear permanente por parte dos EUA, por isso o país está pronto a responder ao fogo com fogo.

    "A Coreia do Norte vive em condições de perigo permanente por parte dos EUA. Na semana passada foram realizadas manobras nucleares sem precedentes das quais participaram porta-aviões e bombardeiros estratégicos norte-americanos. Uma ação causa reação. Nosso líder explicou nossa posição, de acordo com a qual nós vamos pacificar os EUA e responderemos ao fogo com fogo", disse a representante durante seu discurso no âmbito da Conferência Internacional Sobre Segurança em Moscou.

    Na segunda-feira (16), os EUA e a Coreia do Sul iniciaram as manobras militares conjuntas nos mares do Japão (também conhecido como mar do Leste) e Amarelo, onde participam cerca de 40 navios, incluindo o grupo de combate liderado pelo porta-aviões USS Ronald Reagan. A conclusão das manobras está marcada para sexta-feira (20).

    A Coreia do Norte, apesar da pressão internacional, continua desenvolvendo seu programa nuclear e de mísseis. Em 3 de setembro, a Coreia do Norte declarou ter realizado um teste bem-sucedido de uma bomba de hidrogênio, destinada a equipar seus mísseis balísticos intercontinentais, cuja potência, de acordo com as estimativas, superou 10 vezes a das bombas atômicas lançadas em Hiroshima e Nagasaki em 1945. Uma semana mais cedo, a Coreia do Norte realizou os testes de um míssil balístico que sobrevoou o território do Japão.

    Mais:

    Seul revela como vai destruir defesas da Coreia do Norte se eclodir guerra na península
    Opinião: ataques da Coreia do Norte a navios dos EUA poderiam ser motivo para guerra real
    Coreia do Norte insiste que EUA a reconheçam como potência nuclear em prol da paz
    Tags:
    tensões, perigo, Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Coreia do Sul, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik