21:04 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, dividem a tela

    Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

    © AP Photo/ Ahn Young-joon
    Ásia e Oceania
    URL curta
    521

    Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.

    O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.

    "O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA. 

    O autor, lembrando o caso da Líbia, quando os EUA se aproveitaram da fraqueza do regime de Kadhafi, que concordou em acabar com os seus programas nuclear e de mísseis em troca de promessas de "boa-fé" de Washington, (que depois bombardeou o país) coloca uma pergunta retórica: por que o governo norte-coreano, que quer garantir a sobrevivência do regime, tem que acreditar que as negociações com Washington podem eliminar as suas preocupações de segurança? 

    Segundo escreve Doug Bandow no seu artigo para o The National Interest, é especialmente importante que os EUA demonstrem que são um parceiro confiável pronto a negociar em vez de fazerem ameaças que só reforçam a posição de Pyongyang.

    Mais:

    Coreia do Norte apoia a proibição das armas nucleares: 'Só se EUA destruírem seu arsenal'
    Rússia: EUA dão passo errado em 'jogo muito perigoso' ao se aproximar da Coreia do Norte
    Tags:
    posição, ameaça, tensões, segurança, relações, diplomacia, política, negociações, Donald Trump, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik