09:50 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente do Afeganistão, Hamid Karzai

    Daesh no Afeganistão é uma arma dos EUA para causar problemas na região, afirma Karzai

    © Sputnik / Alexei Druzhinin
    Ásia e Oceania
    URL curta
    641

    Os Estados Unidos usam a insurgência do Daesh como uma ferramenta no Afeganistão, visando desestabilizar toda a região, disse o ex-presidente afegão em entrevista à RT, instando a comunidade internacional a convencer Washington a lutar contra o terrorismo.

    Nenhuma ação foi tomada contra terroristas islâmicos, apesar de seus atos atrozes serem bem conhecidos "desde a chegada de Daesh na realidade afegã", disse o ex-presidente Hamid Karzai. Ele então mencionou relatórios de "helicópteros estrangeiros não marcados" que fornecem apoio aos terroristas.

    "De dois anos para cá, todos os dias, as pessoas locais, os anciãos locais, funcionários do governo, mídia e outros começaram a denunciar que helicópteros não marcados, helicópteros estrangeiros não marcados, iriam apoiar extremistas em todas as partes do país", comentou Karzai, às margens do Fórum Valdai em Sochi, na Rússia.

    "Há muita evidência, infelizmente, que mostra que essas forças extremistas são fornecidas a partir das bases estrangeiras no Afeganistão", disse Karzai. "A questão é: Por quê? Por qual razão? E se continuar, se não parar, é claro que a conclusão é que eles estão sendo usados como uma ferramenta".

    Esta ferramenta é usada pelos EUA para buscar metas regionais maiores, de acordo com Karzai.

    "O apoio ao Daesh no Afeganistão não é definitivamente para os propósitos no Afeganistão. Os EUA já se estabeleceram no Afeganistão. Não precisam ter um motivo para estabelecer-se lá. Deve ser para objetivos além do Afeganistão, causar problemas na região", disse Karzai.

    Enquanto o Afeganistão acolhe os EUA para ajudar na luta contra o terrorismo, o uso do país como um fantoche em um jogo regional maior é inaceitável, disse o ex-presidente.

    "O Afeganistão não deve sofrer por seus objetivos maiores e maiores. O Afeganistão não deve ser usado contra nossos vizinhos ou as principais potências da nossa região", ressaltou, acrescentando que a comunidade internacional e as potências regionais devem conversar com os EUA para ajudar a restaurar a cooperação internacional contra o terrorismo no país.

    "Caso contrário, as coisas irão sair do Afeganistão e haverá problemas para todos nós, inclusive para os EUA", concluiu Karzai.

    Um problema chamado Paquistão

    As acusações recentes expressadas pelos principais funcionários dos EUA contra a principal agência de inteligência do Paquistão, a ISI, de apoiar o terrorismo incluem uma parcela justa de hipocrisia, disse Karzai.

    "Os americanos por anos sabiam que havia santuários [terroristas] no Paquistão. Nos últimos 16 anos, eles souberam disso. E eles continuaram dizendo que havia santuários no Paquistão, o presidente [Barack] Obama disse que a secretária [Hillary] Clinton afirmou que outros secretários estaduais e secretários de defesa do governo dos EUA disseram isso", disse Karzai.

    "Michael Mullen, presidente do Estado-Maior, disse em 2010, acredito, antes da sua aposentadoria, que a rede Haqqani [um grupo insurgente afegão do Talibã] era um verdadeiro e confirmado braço do Daesh. Mesmo assim, eles continuaram seu relacionamento e começaram a fornecer o Paquistão", continuou.

    "Para os EUA agora, depois de 17 anos dizer: 'Acabamos de acordar com isso', é um pouco desonesto em nossa visão e contraproducente", disse Karzai.

    A nova rodada de acusações dos EUA contra o Paquistão começou neste semestre, com o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmando que Islamabad "muitas vezes dá espaço para agentes do caos, violência e terror" e prometeu pressionar o país.

    As alegações foram apoiadas por outros altos funcionários, a saber, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que ameaçou o Paquistão cortando a ajuda de Washington. O presidente do Estado-Maior, Joseph Dunford, e o secretário de Defesa, James Mattis, no entanto, suavizaram as acusações no início deste mês, culpando os supostos vínculos do Talibã exclusivamente com o ISI, em vez do Paquistão no todo.

    Ainda não ficou claro se Washington realmente tomaria medidas contra o aliado regional principal.

    A política dos EUA no Afeganistão, entretanto, não mudou um pouco com a nova administração Trump, de acordo com o ex-presidente do Afeganistão. "Eu só vejo a continuidade da política dos EUA no Afeganistão", afirmou Karzai.

    Mais:

    Atentado contra base militar no Afeganistão provoca ao menos 40 mortos
    Aviação dos EUA ataca civis no Afeganistão 'por engano'
    Rússia expressa desconfiança quanto aos 'helicópteros não identificados' no Afeganistão
    Tags:
    guerra, diplomacia, política, terrorismo, Talibã, ISI, Daesh, RT, Donald Trump, Hamid Karzai, Cabul, Estados Unidos, Islamabad, Paquistão, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar