11:53 18 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Imagens mostrando lançamento de míssil feito pela Coreia do Norte (foto de arquivo)

    'Se EUA invadirem uma polegada, não escaparão à severa punição', diz Coreia do Norte à ONU

    © AP Photo/ Lee Jin-man
    Ásia e Oceania
    URL curta
    236095113

    O embaixador da Coreia do Norte na ONU, Kim In-ryong, disse nesta segunda-feira à entidade que os Estados Unidos estão ao alcance das armas do país asiático, e que pagarão um preço alto se ousarem invadir o “território sagrado” ao norte da península.

    "Todo o continente dos EUA está dentro do nosso campo de tiro e, se os EUA se atreverem a invadir nosso território sagrado, até uma polegada, não escaparão à nossa severa punição em qualquer parte do globo", disse o chanceler, citado pela Agência AFP.

    Kim também disse que o governo norte-coreano nunca negociará o desmantelamento de suas armas nucleares, a menos que Washington reverta a sua política "hostil" contra o país.

    "A menos que a política hostil e a ameaça nuclear dos EUA sejam completamente erradicadas, nunca colocaremos nossas armas nucleares e foguetes balísticos na mesa de negociação sob qualquer circunstância", afirmou.

    O chanceler alertou ainda, ao comitê da Assembleia Geral da ONU sobre o desarmamento, que a situação na Península da Coreia "atingiu o ponto de contato e uma guerra nuclear pode romper qualquer momento".

    Por outro lado, Kim disse que a Coreia do Norte não tem a intenção de usar as suas armas nucleares contra países que não se unam aos EUA em sua política de hostilidades contra Pyongyang.

    Recentemente, o presidente estadunidense Donald Trump se envolveu em uma guerra de palavras com o líder norte-coreano Kim Jong-un, trocando insultos pessoais e ameaçando "destruir totalmente" a Coreia do Norte se ameaçar os EUA.

    Mas o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, disse no domingo que Trump queria evitar a guerra, embora o presidente dissesse no Twitter que Tillerson estava "desperdiçando seu tempo" com a diplomacia.

    "Ele não está procurando ir à guerra", disse Tillerson à CNN, acrescentando ominosamente que os esforços "continuariam até a primeira bomba cair".

    Após uma série de lançamentos de mísseis e um sexto teste nuclear, Kim disse que seu país "passou o portão final" para se tornar uma potência nuclear de pleno direito, com os meios para realizar um ataque nuclear.

    Como resposta, os EUA lideraram o Conselho de Segurança para impor dois novos conjuntos de sanções duras contra a Coreia do Norte sobre o teste nuclear e testes de mísseis balísticos intercontinentais, realizados nos últimos meses por Pyongyang.

    Mais:

    Presidente russo assina decreto que impõe restrições à Coreia do Norte
    Ações dos EUA 'forçaram' Pyongyang a criar bomba de hidrogênio, diz Coreia do Norte
    Especialista: Coreia do Norte mostrará sua força em resposta às manobras norte-americanas
    Tags:
    desnuclearização, programa nuclear, guerra nuclear, diplomacia, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Kim In-ryong, Península da Coreia, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik