00:48 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento de mísseis balísticos pela Coreia do Norte (foto de arquivo)

    OTAN: ataque contra Coreia do Norte teria 'consequências devastadoras'

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    15100

    O chefe da OTAN, Jens Stoltenberg, disse na última sexta-feira que uma ação militar contra a Coreia do Norte teria "consequências devastadoras", depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que os esforços diplomáticos haviam falhado.

    Stoltenberg, que visitará a Coreia do Sul e o Japão nas próximas semanas como uma demonstração de apoio, enfatizou que Washington tem o direito de se defender e também os seus aliados, mas pediu maiores esforços diplomáticos.

    "O uso da força militar terá consequências devastadoras, acho que ninguém realmente quer isso, por isso precisamos continuar a pressionar por uma solução negociada", disse Stoltenberg em entrevista à Agência AFP na sede da OTAN, em Bruxelas.

    "Os EUA têm o direito de se defender, defender seus aliados, mas ao mesmo tempo estou absolutamente certo de que ninguém quer uma solução militar, então ainda vemos um esforço unido para tentar aumentar a pressão contra a Coreia do Norte", continuou.

    Trump se reuniu com sua equipe de segurança nacional na terça-feira e discutiu uma "variedade de opções" para responder aos repetidos testes de mísseis nucleares e balísticos recentes de Pyongyang.

    A reunião aconteceu dias após Trump, que no mês passado ameaçou "destruir" a Coreia do Norte, disse no Twitter que anos de conversas com Pyongyang não conseguiram nada e "apenas uma coisa funcionará".

    Os Estados Unidos e a Coreia do Sul lançarão uma importante manobra militar conjunta no mar do Japão (também conhecido como mar do Leste) e no mar Amarelo, em uma demonstração de força contra o Norte na próxima semana, em meio a uma série de movimentos de equipamentos militares na região nos últimos dias.

    No início desta semana, dois bombardeiros pesados supersônicos dos EUA voaram sobre a Península da Coreia, encenando os primeiros exercícios de aviação conjunta noturnos com o Japão e a Coreia do Sul, o último em uma série de sobrevoos.

    Stoltenberg enfatizou que a OTAN "não estava planejando qualquer presença militar naquela parte do mundo" e que nenhum tal pedido havia sido recebido de Tóquio ou Seul.

    Mas a crescente amplitude e precisão observada nos testes de mísseis do Norte levou a aliança de 29 países a revisar seu sistema de defesa antimíssil, que se encontra parcialmente operacional a partir de uma base na Romênia desde o ano passado.

    "Nossos especialistas estão trabalhando em tecnologia, em como melhorar nossos sistemas", disse Stoltenberg.

    Mais:

    Só um ataque da Coreia do Norte aniquilaria 90% da população dos EUA
    Submarino nuclear dos EUA equipado com mísseis Tomahawk chega à Coreia do Sul (FOTO)
    China: sistemas THAAD na Coreia do Sul prejudicam interesses de segurança da Rússia
    Tags:
    exercícios militares, diplomacia, guerra, defesa antiaérea, defesa antimísseis, OTAN, Donald Trump, Jens Stoltenberg, Estados Unidos, Península da Coreia, Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar