11:19 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis americano ATACMS adquirido pelas Forças Armadas da Coreia do Sul

    Seul ameaça 'destruir Coreia do Norte sem recuperação possível' em caso de provocação

    © AFP 2019 / KIM JAE-HWAN
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Lançamento de míssil de Pyongyang (18)
    321613
    Nos siga no

    Coreia do Sul ficou indignada com o último lançamento de míssil de Pyongyang, com o presidente Moon Jae-in avisando que as provocações podem resultar na destruição completa, informa o RT.

    "Se a Coreia do Norte realizar provocações contra nós ou contra os nossos aliados, temos poder para destruir sem possível recuperação", comunicou o líder sul-coreano na sexta (15) citado pela Yonhap, informa o RT.

    © Sputnik .
    Coreia do Sul lança míssil Hyunmoo-2 em 15 de setembro de 2017

    O presidente sul-coreano Moon Jae-in declarou isso após a Coreia do Norte ter anteriormente lançado na madrugada do mesmo dia (15) um míssil que sobrevoou o espaço aéreo do Japão e caiu no Pacífico a cerca de 2 mil quilômetros do Japão.

    Seul, por seu lado, convocou imediatamente uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, onde Moon Jae-in condenou o lançamento, declarando que a Coreia do Norte violou mais uma vez as resoluções da ONU e "representa um sério desafio para a paz e estabilidade da península da Coreia e da comunidade internacional", comunica o RT.

    "Condeno firmemente e manifesto a minha indignação com a série de provocações da Coreia do Norte", declarou o presidente sul-coreano, citado pela Yonhap.

    Entretanto, Moon Jae-in acrescentou que o diálogo entre as duas Coreias é impossível e pediu uma maior pressão sobre a Coreia do Norte.

    Tema:
    Lançamento de míssil de Pyongyang (18)

    Mais:

    Pentágono revela tipo de míssil lançado pela Coreia do Norte
    Rússia e China precisam tomar 'ação direta' contra Coreia do Norte, diz Tillerson
    Tags:
    provocação, tensão, declaração, teste, míssil, política, ameaça, ONU, Moon Jae-in, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar