13:43 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Conflito na fronteira entre Índia e China (17)
    343
    Nos siga no

    O ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, declarou nesta quarta-feira que espera que a Índia tenha aprendido lições após a solução diplomática que pôs fim à crise na fronteira entre os dois países e que já durava dois meses.

    De acordo com Wang, o fim da crise na área de Doklam, região do Himalaia que era disputada por China, Índia e o Butão, possibilita que Nova Délhi tire lições que impeça que fatos como esse não ocorram no futuro.

    Nenhum detalhe foi oferecido, tanto por China quanto pela Índia, a respeito de como o conflito foi resolvido – os indianos falaram apenas em "conversações diplomáticas" e "saída acelerada" da área disputada pelos dois países.

    Pequim informou ainda que poderá retomar as obras de uma estrada que propiciou o início do conflito fronteiriço.

    Os dois países disseram que as suas tropas seguirão patrulhando a área de Doklam, como já ocorria antes do início de todo o conflito.

    Em editorial divulgado pela agência chinesa Xinhua, o governo chinês elogiou a Índia pela "decisão sábia" de deixar um território "historicamente da China", o que seria um reconhecimento por parte de Noca Déhli de que houvera uma "violação da soberania" chinesa na região.

    O fim da crise aconteceu bem a tempo, já que o presidente chinês Xi Jinping e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi deverão se reunir em um encontro de cúpula, que acontece na próxima semana na China.

    Tema:
    Conflito na fronteira entre Índia e China (17)

    Mais:

    Índia aumentará capacidades da sua Força Aérea
    Índia desenvolve infraestrutura ao longo da parte disputada da fronteira com China
    Índia tropeça no próprio pé, ou como a China trata da questão das fronteiras
    Tags:
    soberania, diplomacia, Xinhua, Narendra Modi, Xi Jinping, Wang Yi, Himalaia, Doklam, Butão, Índia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar