21:53 26 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Sistema da defesa antimíssil SAM-4 do Japão

    Por que motivo Japão decidiu não abater míssil norte-coreano?

    © Foto : Wikimedia
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Míssil de Pyongyang sobrevoa Japão (29)
    84387

    O Japão não tomou medidas para abater o míssil lançado pela Coreia do Norte que sobrevoou seu território, pois não representava ameaça alguma para o país, declarou o ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera.

    "Os radares das Forças de Autodefesa detectaram o voo do míssil, mas, sendo que não havia ameaça de sofrer danos, foi tomada a decisão de não o abater", declarou o ministro japonês.

    No entanto, ele adicionou que o voo do míssil em tal trajetória representa um perigo sério para a segurança da região e viola a resolução da ONU.

    De acordo com o ministro, o mais provável é que o míssil lançado tenha sido de médio alcance. O projétil teria se partido em três antes de cair no mar. Não há relatos de danos ou feridos.

    Na terça-feira (29) de manhã (horário local), a Coreia do Norte disparou um míssil que sobrevoou o território japonês e, 14 minutos depois, caiu a 1.180 km de Hokkaido.

    A última vez que um míssil de Pyongyang sobrevoou o Japão foi em 2009, quando o país de Kim Jong-un afirmou estar lançando um satélite de telecomunicações, mas a comunidade internacional interpretou o ato como um teste de um míssil balístico intercontinental.

    Tema:
    Míssil de Pyongyang sobrevoa Japão (29)

    Mais:

    Sanções contra Coreia do Norte são 'recurso esgotado', diz vice-chanceler russo
    Conselho de Segurança da ONU confirma reunião de emergência para discutir Coreia do Norte
    Coreia do Norte dispara míssil que sobrevoa o Japão e causa pânico
    Seul acredita que Coreia do Norte está pronta para novo teste nuclear
    Tags:
    médio alcance, ameaça militar, perigo, lançamento, míssil, Forças de Autodefesa do Japão, ONU, Kim Jong-un, Itsunori Onodera, Pyongyang, Hokkaido, Japão, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar