06:09 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Esta foto mostra militares durante o desfile militar comemorando os 105 anos de nascimento de Kim Il-sung

    Para analista, em caso de verdadeiro conflito bélico, Pyongyang 'não duraria nem 24 horas'

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    761119

    Em uma entrevista ao RT, Santiago Castillo, jornalista especializado no Nordeste Asiático, falou sobre as recentes tensões na península coreana e analisou a hipótese de um verdadeiro conflito aberto entre as partes.

    O jornalista e diretor da edição digital AsiaNorthEast, Santiago Castillo, que também trabalhou como correspondente da EFE na Coreia do Norte, falou com o RT sobre a possibilidade de uma nova escalada em torno da península da Coreia.

    "Não vai haver nenhuma guerra nuclear. Há uma autêntica exageração no Ocidente sobre o que se passa na Coreia do Norte que se deve, em alguma parte, a um grande desconhecimento. A Coreia do Norte não está em condições de atacar ninguém, por muito desenvolvimento nuclear que tenha", afirmou.

    O especialista ressaltou que os constantes lançamentos de mísseis por parte da Coreia do Norte são apenas uma medida para consumo interno e manter a própria sobrevivência do regime e do líder Kim Jong-un, mas "estamos muito longe de uma guerra nuclear".

    "Ou seja, se a Coreia do Norte atacasse agora mesmo seus inimigos de sempre, e estes, como ela diz, são os EUA e a Coreia do Sul, se se mantivesse esse conflito bélico a Coreia do Norte não duraria nem 24 horas, já que não tem infraestrutura suficiente para isso. Tem Forças Armadas que, em geral, são muito obsoletas", argumentou Castillo.

    Além disso, o analista assinalou que a possibilidade de os próprios EUA, e muito mais a Coreia do Sul, atacarem primeiro é extremamente baixa, mesmo com Donald Trump que é "imprevisível em tudo".

    A razão para isso, na opinião do especialista, é que Pyongyang, antes de ser "destruído pelos EUA", ou seja, já após o lançamento de um míssil, terá tempo suficiente para efetuar um ataque contra Seul (que está a 50 km) ou contra Tóquio, causando um número enorme de vítimas. Evidentemente, ninguém quer arriscar isso.

    Entretanto, ele realçou que, embora nunca haja uma verdadeira guerra nuclear, o pior é que, com o constante desenvolvimento nuclear norte-coreano, se está alimentando a instabilidade na zona, sendo que esta se arrasta deste que a península ficou dividida em 1948.

    Na opinião de Castillo, a única maneira de solucionar a crise é voltar às suspendidas negociações entre as seis partes — EUA, Japão, China, Rússia e as duas Coreias.

    Respondendo à questão por que estas conversações pararam em 2008, o especialista frisou que "tudo o que suponha uma certa normalidade, uma certa calma, não interessa ao regime nuclear", e Pyongyang "está permanentemente em estado bélico".

    Entretanto, ele ressaltou que na Coreia do Sul hoje em dia há um novo presidente que ofereceu a Pyongyang condições novas neste campo, mas Kim Jong-un nem respondeu à proposta.

    "A China, por sua vez, insistiu que deve abandonar o tema nuclear e se focar em outros temas como o reconhecimento diplomático, o petróleo e outros pontos para basicamente resolver sua falta de energia e de ajuda humanitária. Porém, isto não interessa à Coreia do Norte. E eu acredito que aqui, se houver mais pressão por parte da China e outros países para regressar às negociações entre seis partes, talvez seja um bom início", resumiu.

    Mais:

    Seul: Novo teste nuclear da Coreia do Norte em agosto é 'provável'
    Trump: novas sanções dos EUA irão aproximar China, Rússia e Coreia do Norte
    Quem será o vilão, se os EUA realmente declararem guerra à Coreia do Norte?
    Coreia do Sul planeja 'ataque cirúrgico' para retirar Kim Jong-un do poder?
    Para que Coreia do Norte recorre à demonstração de força?
    Tags:
    negociações de paz, ataque nuclear, conflito armado, armas nucleares, Kim Jong-un, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar