01:04 10 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Conflito na fronteira entre Índia e China (17)
    0 65
    Nos siga no

    O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, apelou às autoridades indianas para retirarem imediatamente as suas tropas do território chinês, no setor de Sikkim, o que permitirá ultrapassar as tensões entre os dois países, informou o comunicado da chancelaria chinesa.

    As relações entre a China e a Índia se agravaram no fim de junho depois de um grupo de guardas de fronteira indianos ter atravessado a fronteira chinesa ilegalmente no setor de Sikkim. Segundo a parte chinesa, isso impede a atividade dos guardas de fronteira da China na área de Doklam, região autônoma de Tibete. Depois disso, a China advertiu a Índia diversas vezes para retirar as suas tropas do território chinês.

    "Até altos funcionários da Índia admitiram abertamente que os militares chineses não cruzaram a fronteira, ou seja, a Índia admitiu que tinham sido eles a entrar no território chinês", disse Wang Yi em Bangkok, onde está de visita.

    O ministro das Relações Exteriores da China sublinhou que a solução do problema é "muito simples – é só necessário que eles saiam [do território chinês]".

    Segundo a chancelaria chinesa, o estatuto da parte da fronteira sino-chinesa foi estabelecido no acordo de 1890 entre a China e o Reino Unido e, depois da proclamação da independência da Índia, o governo do país reafirmou muitas vezes de forma escrita que ambas as partes admitem que não há qualquer contradição entre eles em relação à parte da fronteira no setor de Sikkim. 

    Tema:
    Conflito na fronteira entre Índia e China (17)

    Mais:

    Escalada de tensões: China é acusada de invadir território da Índia
    Tensões continuam: caças chineses intimidam aeronave dos EUA no Mar do Sul da China
    China exige a retirada imediata das tropas indianas da fronteira
    Tags:
    tropas, relações bilaterais, disputa territorial, Wang Yi, Índia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar