19:38 23 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Encontro em 4 de agosto de 2009 entre o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, e o então líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, em Pyongyang

    'EUA não estão preparados para negociar com a Coreia do Norte', diz ex-diplomata

    © AP Photo/ Korean Central News Agency via Korea News Service, File
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (178)
    5168322

    O ex-diplomata norte-americano para assuntos coreanos, David Straub, afirmou nesta terça-feira que os Estados Unidos não está preparados para iniciar uma rodada de negociações com a Coreia do Norte, a fim de resolver o impasse entre os dois países.

    Em entrevista à agência sul-coreana Yonhap, Straub analisou que o histórico recente do regime norte-coreano não é dos mais confiáveis no campo diplomático, e que o líder Kim Jong-un possivelmente faria de tudo para humilhar o governo norte-americano.

    “Acho que os EUA não estão preparados para entrar em negociações formais com a Coreia do Norte, sabendo que a Coreia do Norte vai tomar uma posição que será totalmente inaceitável para o nosso lado, porque se o fizéssemos, as negociações falhariam… e os EUA vão parecer um país fraco e estúpido por ter entrado em negociações que falharam rapidamente”, avaliou.

    O ex-diplomata esteve em Pyongyang em 2009, ao lado do ex-presidente Bill Clinton, como parte de um acordo com os norte-coreanos para a libertação de dois jornalistas norte-americanos, que estavam em prisões da península. De acordo com Straub, a ida de Clinton foi uma exigência do então líder da nação, Kim Jong-il.

    “Ficou claro que, basicamente, a Coreia do Norte só queria ter uma fotografia de Kim Jong-il com Bill Clinton, para que eles pudessem mostrar ao seu povo e ao mundo e se sentirem bem por terem forçado os EUA a se curvarem à sua vontade”, relembrou, lembrando que o jantar entre as duas delações foi “diplomático e educado”.

    Após o recente episódio envolvendo um estudante norte-americano de 22 anos, que foi libertado em condições precárias de saúde por Pyongyang, vindo a morrer dias depois nos EUA, Straub acredita que o tratamento aos prisioneiros na península possa estar ainda pior do que aquele que o ex-diplomata viu com os próprios olhos há oito anos.

    “Quando alguns dos primeiros americanos foram levados à prisão, os norte-coreanos foram muito, muito cuidadosos com eles e os libertaram cedo, mas com o passar do tempo… eles pensam que agora os EUA são um tigre de papel e os EUA não podem fazer qualquer coisa […]. A Coreia do Norte não só sente-se livre para fazer mais pessoas reféns, mas as trata muito pior e faz demandas mais elevadas”, completou.

    Atualmente, três cidadãos norte-americanos seguem detidos na Coreia do Norte.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (178)

    Mais:

    Japão envia nota de protesto à Coreia do Norte devido a incidente com navio
    Sistema THAAD pode proteger 10 milhões de pessoas na Coreia do Sul, diz comandante dos EUA
    'Pequeno detalhe' separa Coreia do Norte de míssil intercontinental, diz Seul
    Tags:
    guerra, democracia, tortura, política, diplomacia, Otto Warmbier, David Straub, Kim Jong-un, Kim Jong-il, Bill Clinton, Estados Unidos, Península Coreana, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik