08:14 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Uma mulher participa dos festejos comemorando os 105 anos de nascimento de Kim Jong-il

    'Sanções contra Pyongyang são um passo fantasticamente ingênuo e hipócrita'

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6170
    Nos siga no

    Georgy Toloraya, especialista do Clube de Discussão Internacional de Valdai e coordenador do setor dos países da Ásia Oriental do centro de pesquisas pós-soviéticas do Instituto de Economia da Academia de Ciências da Rússia, comenta para a Sputnik Brasil a situação em torno da Coreia do Norte.

    Segundo o analista, as sanções contra Pyongyang não resultam em nada, apenas endurecem o regime norte-coreano, que cada dia fica mais agressivo, em relação aos seus adversários.

    "A introdução de sanções para supostamente fazer com que as autoridades norte-coreanas mudem de ideia é um passo fantasticamente ingênuo e hipócrita. As sanções castigam e afetam na sua maioria o povo comum e o próprio esquema, pelo visto, satisfaz apenas seus iniciadores", destacou Toloraya.

    Ele explica que a ideia inicial era pressionar o país com sanções para que assim ele se redimisse, permitindo a derrubada do regime abominável. Além disso, as sanções eram destinadas a obstaculizar o desenvolvimento do programa nuclear. Até então, nada aconteceu, sublinha Toloraya, e a Coreia do Norte continua avançando suas tecnologias nucleares.

    "Existe apenas uma medida disponível [para influenciar Pyongyang], são as negociações. Se os EUA iniciarem o diálogo direto com Coreia do Norte sobre suas relações, muita coisa poderia ser resolvida. Mas os norte-americanos não querem fazê-lo, pois preferem apostar na comunidade internacional", afirma o especialista do Clube de Valdai.

    O apoio prestado pela China a Pyongyang provoca atritos entre Pequim e Washington. A China sabe muito bem que as restrições nunca vão fazer Coreia do Norte desistir da sua atividade nuclear. Mas Pequim tem que fingir dar ouvidos às vontades dos EUA, mesmo que contradigam os seus interesses nacionais, opina Toloraya.

    No que diz respeito à guerra, o especialista nega a possibilidade de um conflito militar. O futuro da região será marcado por uma crise sem resolução. O compromisso será o seguinte: a suspensão do programa nuclear norte-coreano em troca de alguns passos dos rivais — EUA e Coreia do Sul. Seul é a favor de uma busca de compromisso.

    "Falta apenas convencer Trump. Muito provável que isto nunca vá acontecer e a crise permanecerá nem em estado de guerra, nem em estado de paz", resumiu Georgy Toloraya.

    Mais:

    Descrente com Rússia e China, Japão prepara pacote próprio de sanções à Coreia do Norte
    Coreia do Norte: EUA provocam uma guerra nuclear enviando bombardeiros à península
    Coreia do Norte cria escudo de mísseis nucleares
    Tags:
    crise coreana, sanções econômicas, Coreia do Sul, Coreia do Norte, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar