10:04 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Militares são vistos em cima de um blindado durante festejos do 105 aniversário de Kim Il-sung

    Coreia do Norte promete maior capacidade nuclear e chama esforço dos EUA de 'farsa'

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    19162

    A Coreia do Norte reafirmou nesta quinta-feira a sua intenção de aumentar ainda mais a sua capacidade nuclear, chamando ainda de “farsa” o acesso de conciliação feito pelos Estados Unidos na semana passada, segundo informações da agência sul-coreana Yonhap.

    O governo norte-coreano informou que ninguém irá impedir Pyongyang de reforçar o seu programa nuclear. Na visão do regime de Kim Jong-un, a posição exposta na última semana pelo secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson é um esquema enganoso.

    Falando pela Casa Branca, Tillerson pediu que a Coreia do Norte confie nas intenções norte-americanas, garantindo que o governo de Donald Trump quer apenas o fim dos testes balísticos e nucleares, e não uma mudança no regime em Pyongyang.

    Em resposta, o Comitê de Paz da Ásia-Pacífico, uma agência ligada ao Partido dos Trabalhadores norte-coreano, declarou que a campanha capitaneada por Washington é enganosa, uma vez que oferece diálogo enquanto envia forças estratégicas à Península Coreana – em referência aos navios de guerra e aos submarinos que estão na área.

    “Vamos intensificar os esforços para diversificar e modernizar a força nuclear antes que os agressores e provocadores percebam”, disse um porta-voz do comitê à agência estatal norte-coreana KCNA.

    O mesmo porta-voz fez um alerta à Coreia do Sul, que estaria “dançando a música” de outros países, pontuando ainda que Seul não deve contestar as intenções norte-coreanas de potencializar as suas defesas.

    Nas últimas duas semanas, Pyongyang conduziu dois testes balísticos com mísseis de médio alcance, e ambos foram considerados bem sucedidos. Pelo menos um deles pode possuir a capacidade de levar consigo uma ogiva nuclear, o que aumentou a preocupação da comunidade internacional.

    O presidente sul-coreano Moon Jae-in tenta implementar uma política de mão dupla, com diálogo proporcional à diminuição do programa nuclear da Coreia do Norte. Esta, por sua vez, não aceita a abordagem por entender que tais políticas, juntas, não funcionam.

    O fim das hostilidades e dos exercícios militares na Ásia foram condições colocadas pelos norte-coreanos para qualquer tentativa de diálogo com os Estados Unidos. Enquanto isso, a China segue buscando uma saída diplomática, o mesmo que faz o Conselho de Segurança da ONU.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    China convida Japão, EUA e Coreia do Sul a reiniciar relações com Coreia do Norte
    Especialista: EUA usam Coreia do Norte como um dos elementos da 'guerra' contra Rússia
    China desmente informação sobre 100 dias para influenciar Coreia do Norte
    Tags:
    política, diplomacia, terceira guerra mundial, guerra nuclear, guerra, Casa Branca, Conselho de Segurança da ONU, KCNA, Moon Jae-in, Kim Jong-un, Rex Tillerson, Donald Trump, Estados Unidos, Península Coreana, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar