15:33 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Destróier chinês, Taizhou (arquivo)

    China pretende quadruplicar efetivos da infantaria naval

    © AP Photo / Dai Zongfeng/Xinhua
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5170

    Pequim planeja aumentar o número de efetivos da sua infantaria naval, a fim de proteger suas comunicações marítimas e interesses crescentes no estrangeiro, informa o jornal South China Morning Post, citando fontes militares e especialistas.

    Informa-se que uma parte do contingente será aquartelada nos portos chineses de Jibuti, no nordeste de África, e em Gwadar, no Paquistão, perto do Estreito de Ormuz.

    Como comunicaram ao jornal fontes militares, duas brigadas das tropas terrestres já foram transferidas para a infantaria naval, praticamente duplicando o número de militares desta última.

    "O número de efetivos da infantaria naval do Exército de Libertação Popular da China será aumentado para 100 mil homens. A infantaria será composta de seis brigadas", cita South China Morning Post sua fonte.

    Conforme a mesma fonte, o número de efetivos da Marinha chinesa também pode ser aumentado em 15%.

    Como declarou o especialista militar Lie Jie, tradicionalmente a infantaria naval opera nas áreas costeiras da China, por isso o número de militares não era muito grande.

    Mas agora, "além da missão principal — um possível conflito armado com Taiwan ou defesa no mar do sul da China e da China Oriental — a missão naval do exército chinês pode ser alargada ao estrangeiro, inclusive no que toca à defesa dos interesses da segurança da China na Península da Coreia e comunicações vitais do país nesta zona", acredita Lie Jie.

    A China anunciou a construção da base militar em Jibuti em fevereiro de 2016. O número de efetivos ainda é desconhecido, mas aparecem informações na mídia que falam de 10 mil militares.

    O porto de Gwadar que fica perto do Estreito de Ormuz, o maior canal de transporte de petróleo do Golfo Pérsico, foi construído com a ajuda de capital chinês e é operado por empresas chinesas. Informa-se que, apesar da ausência de estruturas do exército chinês em Gwadar, os navios militares irão atracar no porto.

    Mais:

    China se prepara para responder ao deslocamento do sistema THAAD na Coreia do Sul
    China nunca permitirá que Taiwan e Hong Kong se tornem independentes
    China alerta para instabilidade e riscos nas relações com Taiwan
    China propõe à Coreia do Norte 'compromisso de mísseis'
    Tags:
    bases militares, efetivo, aumento, infantaria, Marinha chinesa, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar