11:59 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Aeronaves norte-americanas Osprey na base militar em Okinawa, Japão, 2014

    Okinawa poderá cair nas mãos da China?

    © AFP 2017/ TORU YAMANAKA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    43439

    No fim de dezembro de 2016, a agência Bloomberg comunicou, citando a Direção de investigação de segurança social, que a China está estabelecendo contatos com grupos que lutam pela separação de Okinawa do Japão através de universidades e centros de pesquisa. A chancelaria chinesa preferiu não dar comentário sobre isso.

    O movimento pela independência de Okinawa se iniciou em 1945. Os seus ativistas defendem o reestabelecimento de Luchu, nação de centenas de anos que foi tomada pelo Japão em 1879. Estima-se que um terço de sua população é a favor da independência.

    Na opinião do historiador e analista político, Dmitry Verkhoturov, é muito provável o estabelecimento de contato da China com grupos separatistas de Okinawa.

    "Quase 17% do território de Okinawa é ocupado por bases militares norte-americanas, que bloqueiam a saída da Marinha chinesa do mar Amarelo para o oceano Pacífico. Todas as saídas das forças principais da Marinha chinesa para o oceano <…> são observadas pela aviação norte-americana. <…> O grupo militar dos EUA em Okinawa, juntamente com as forças japonesas de autodefesa, apoia a contenção de tal ação", disse à Sputnik Japão.

    O especialista acredita que a China não esteja muito disposta a realizar ações agressivas, optando por meios mais delicados para proteger seus interesses. A China está interessada na separação da ilha do Japão por algumas razões. É benéfico para a China apoiar o movimento contra a instalação de bases militares norte-americanas, que foi sempre significativo em Okinawa. Além disso, Verkhoturov afirmou que, com ajuda dos separatistas de Okinawa, a inteligência chinesa poderá espionar bases e recolher informações. Existe uma possibilidade de organização de sabotagens pelos separatistas em questão a fim de agravar a situação (tais cenários foram sugeridos ainda em 2013).

    "Em caso de agravamento da situação, posicionar secretamente submarinos das forças especiais chinesas será muito mais fácil, caso a China conte com a ajuda dos separatistas. Ou seja, preparar-se de forma secreta para neutralizar ou eliminar bases norte-americanas em Okinawa em caso de conflito ou guerra com a ajuda de separatistas", sublinhou o analista.

    Ao mesmo tempo, os separatistas devem compreender as consequências que sofrerão caso consigam se separar do Japão.

    "Primeiramente, Okinawa não é capaz de criar quaisquer forças armadas, aviação e frota por si só. Nem o Japão, nem os EUA não aceitarão a perda da ilha. Um argumento militar de tal intensidade poderá ser expresso somente por tropas chinesas, que poderiam assumir as bases [norte-americanas]", disse Verkhoturov.

    Caso Okinawa alcance independência territorial, segundo o especialista russo, não haverá outra opção para a província a não ser se entregar à nação chinesa, consequentemente, a liberdade almejada por muitos não será usufruída pelos mesmos.

    Mais:

    EUA enviam caças F-35 mais recentes ao Japão
    Governo do Japão diz que está 'analisando minuciosamente' as declarações de Trump
    Japão realizará exercícios de evacuação para ameaças de ataques da Coreia do Norte
    Coreia do Sul lança por engano mísseis antinavio no mar do Japão
    Tags:
    ilha, separatismo, movimento, base, independência, Okinawa, China, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik