08:23 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Protesto de habitantes de Okinawa em Nago, no Japão, pedindo a saída dos americanos (junho de 2016)

    Funcionários de bases americanas no Japão devem perder parte de sua imunidade legal

    © AFP 2017/ TORU YAMANAKA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2070

    Tóquio e Washington estão a um passo de reduzir a imunidade legal dos trabalhadores em serviço nas bases dos Estados Unidos em território japonês, segundo informou a imprensa dos EUA.

    Atualmente, cerca de 50 mil soldados e 7 mil civis americanos se encontram no Japão como parte de acordos de segurança e contratos existentes entre os dois países. A maior parte deles se encontra na base de Okinawa

    De acordo com a parceria bilateral firmada, em vigência desde os anos 1960, esse pessoal, baseado nas instalações militares dos EUA no país asiático, não está sujeito às leis japonesas, o que tem sido objeto de eventuais tensões ao longo de décadas. Desde julho, segundo a ABC News, Washington e Tóquio vêm negociando detalhes dessa proteção dos funcionários das bases americanas, com o objetivo de chegar a um novo acordo sobre essa questão. 

    Nesta segunda-feira, o ministro japonês das Relações Exteriores, Fumio Kishida, declarou que o escopo da imunidade oferecida pelo Japão será certamente alterado, uma vez que as duas partes já teriam chegado a um consenso para definir as diferenças entre esses trabalhadores e os militares lotados. Sua expectativa, conforme relatou a agência AP, é concluir essa negociação até o final do governo de Barack Obama

    Mais:

    Governador de Okinawa espera que Trump reduza presença militar americana na ilha
    Medida coerciva: EUA cessam voos de seus aviões de assalto AV-8 sobre Okinawa
    Autoridades japonesas solicitam suspensão de voos norte-americanos sobre Okinawa
    Okinawa perde a luta contra construção de base americana na ilha
    Tags:
    imunidade legal, bases militares, Fumio Kishida, Barack Obama, Tóquio, Washington, Okinawa, Japão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik