02:08 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Vendedor em Seul assiste notícia sobre teste nuclear realizado pela Coreia do Norte, 9 de setembro de 2016

    Reduzir a cinzas: Coreias ultrapassam Hitler em violência verbal

    © REUTERS / Kim Hong-Ji
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Crise nuclear das Coreias (56)
    7173

    Em 11 de setembro, a Coreia do Sul prometeu reduzir Pyongyang a cinzas e declarou que o seu Ministério da Defesa já preparou o plano de ataque preventivo com mísseis contra a Coreia do Norte.

    É de destacar que a Coreia do Norte, por sua parte, já tinha feito declarações semelhantes e usou da mesma retórica contra o Sul por muitas vezes. Mas ninguém esperava ouvir algo semelhante de parte da Coreia do Sul.

    A declaração dura foi citada pela agência Yonhap e foi feita logo após mais um teste nuclear realizado pela Coreia do Norte:

    "Cada bairro de Pyongyang, especialmente aquele em que supostamente está se escondendo a chefia da Coreia do Norte, será completamente destruído… Em outras palavras, a capital da Coreia do Norte será reduzida a cinzas e transformada em nada."

    Na entrevista à Sputnik China, Georgui Toloraya, chefe do centro da estratégica asiática da Rússia da Academia de Ciências da Rússia, disse:

    "Mesmo Stalin e Hitler não se permitiram ameaçar publicamente de morte um ao outro."

    Simultaneamente, o especialista notou que não é preciso tomar essas declarações a sério e se preparar para conter um ataque nuclear, só é preciso considera-las como parte da retórica.

    Segundo Toloraya, tais declarações só visam mostrar que o país se pode proteger por si mesmo, ou seja, sem ajuda dos Estados Unidos.

    O mesmo especialista destacou que quaisquer sanções ocidentais não funcionam relativamente a Coreia do Norte.

    "Os últimos 25 anos mostraram que as sanções não funcionam perfeitamente. Foi durante este período que a Coreia do Norte passou de simples testes com dispositivos nucleares para a plena posse de mísseis nucleares", destacou. 

    De acordo com o especialista, é preciso achar um acordo com o país e criar uma nova estratégia, e a Rússia e China compreendem isso perfeitamente. 

    Mas os Estados Unidos não querem de todo falar com o regime de Kim Jong-un, já que este é visto como o completo antípoda de todos os ideais ocidentais. Por isso os americanos estão aguardando a queda do regime, mas este não parece estar se desfazendo… 

    Tema:
    Crise nuclear das Coreias (56)
    Tags:
    retórica, teste nuclear, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar