00:21 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9853
    Nos siga no

    A iniciativa do Cinturão e da Rota da Seda tem, desde 2015, um capítulo que iniciou a etapa mais intensa da disputa hegemônica com os EUA.

    Trata-se da promoção e difusão das novas tecnologias chinesas no mundo. Esta iniciativa é conhecida como a Rota da Seda Digital.

    A iniciativa surgiu com o nome de Rota da Seda da Informação e se centrou inicialmente em investimentos em cabos de fibra óptica e redes de telecomunicações.

    Desde então, seu alcance foi ampliado para incluir investimentos em comércio eletrônico e sistemas de pagamentos móveis, projetos relacionados com a indústria espacial, centros de dados e pesquisa e projetos relacionados com as cidades inteligentes.

    A Rota da Seda Digital faz parte da estratégia de desenvolvimento tecnológico do plano Made in China 2025 e da Estratégia Nacional de Informatização.

    Deste modo, a China definiu sua ambição política de chegar à liderança mundial na área de alta tecnologia.

    As modalidades de financiamento dos projetos da Rota da Seda Digital têm sido a chave para sua expansão.

    No relatório de 2021 sobre o Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe há um capítulo especial dedicado à participação chinesa na região e no resto do mundo, além das colocações vinculadas ao setor da tecnologia e das telecomunicações.

    Desde 2013, os projetos da Rota da Seda Digital em todo o mundo representaram mais de US$ 17 bilhões (R$ 87,5 bilhões), com mais de US$ 10 bilhões (R$ 51,5 bilhões) investidos no comércio eletrônico e pagamentos digitais e mais de US$ 7 bilhões (R$ 36 bilhões) destinados a empréstimos e ao Investimento Estrangeiro Direto na infraestrutura das redes de telecomunicações e cabos de fibra óptica.

    Os investimentos da China nos setores das telecomunicações e alta tecnologia aumentaram nos últimos anos como reflexo da estratégia de expansão digital do país e do peso crescente que suas empresas digitais têm no mundo.

    Entre 2005 e 2019, aproximadamente um quarto do total das operações de fusão e aquisição das empresas chinesas no exterior foram concretizadas nos setores de telecomunicações, Internet e tecnologia.

    Atualmente, a posição internacional da China mudou e o país é uma das grandes potências do mundo, o que causou um conflito pela hegemonia tecnológica com os EUA.

    As grandes empresas tecnológicas da China estão tendo uma presença crescente na América Latina e no Caribe, destacando-se a Huawei, China Telecom e ZTE.

    Na área das comunicações, a maioria dos anúncios de investimento realizado entre 2015 e 2020 correspondem à Huawei e Xiaomi para instalações comerciais no mercado dos telefones inteligentes.

    A Xiaomi aumentou entre 2018 e 2019 sua presença e reafirmou seu interesse no mercado latino-americano, anunciando 18 projetos de venda varejista em sete países: Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Panamá e Peru.

    Por sua vez, a Huawei opera há 20 anos na região e atualmente está instalada em 20 países da América Latina.

    Entre 2019 e 2020, a Huawei anunciou quatro projetos, sendo um no Brasil e três no Chile, criando um segundo centro de dados em cada um desses países.

    Entre 2015 e 2020, as empresas privadas e estatais investiram em torno de US$ 74,8 bilhões (R$ 385,2 bilhões) na região, formando parte da nova onda de investimentos chineses, que está focada em setores de logística, serviços, telecomunicações e transporte.

    Mais:

    Chegada do 5G ao Brasil pode ser adiada por crise multifacetada no país, avalia professor
    'Huawei participará do leilão do 5G porque nada desabona credibilidade da empresa', diz especialista
    Anatel aprova edital para leilão do 5G no Brasil e autoriza participação da Huawei
    Tags:
    China, América Latina, EUA, tecnologias, novas tecnologias, investimentos, comércio eletrônico, Rota da Seda
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar