00:52 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Fortes enfrentamentos, inclusive com armas de fogo, ocorreram neste domingo (9) entre indígenas e cidadãos locais após mais de uma semana de bloqueios montados em protesto contra o governo central pelos nativos em Cali, no sudoeste da Colômbia.

    "Enviamos uma delegação do governo nacional para abordar esta problemática", que conta com a presença do ministro do Interior, Daniel Palacios, "que, neste momento, segundo as minhas instruções, está viajando novamente à cidade de Cali", anunciou o presidente da Colômbia, Iván Duque, em uma declaração sobre a situação na cidade.

    Vídeos que circulam nas redes sociais mostram enfrentamentos entre indígenas e cidadãos locais na zona sul de Cali, onde vários veículos sofreram danos e pelo menos um foi incinerado.

    Mais registros de civis com armas de grosso calibre em Ciudad Jardín.

    Barricadas com homens armados ao sul de Cali.

    Os indígenas chegaram a Cali provenientes do departamento vizinho de Cauca (sudoeste) em 28 de abril, para participar de uma paralisação nacional indefinida contra o governo central. Durante as manifestações, os indígenas fecharam vias e bloquearam estradas, o que provocou desabastecimento de alimentos e combustível, e teria gerado uma reação violenta dos moradores, provocando fortes enfrentamentos.

    Posto de gasolina com placa mostrando falta de combustível em Cali, na Colômbia
    © REUTERS / Juan B Diaz / Stringer
    Posto de gasolina com placa mostrando falta de combustível em Cali, na Colômbia
    Diante dessa situação, o presidente Duque fez um apelo aos indígenas para que deixem Cali e retornem às suas localidades de origem em Cauca.

    "Quero fazer um chamado claro aos membros do CRIC [Conselho Regional Indígena do Cauca]: vemos que a população, neste momento, está sofrendo muito com os bloqueios e rejeita neste momento que se produzam bloqueios adicionais ou que se ameace a sua segurança. Para evitar confrontos desnecessários, eu quero fazer um apelo aos senhores do CRIC para que retornem novamente às suas localidades", disse o presidente.

    Além disso, Duque indicou que pediu ao ministro do Interior para que "entre em contato com eles [os indígenas], não para limitar a mobilização, mas para que se entenda que este não é o momento de gerar provocações e confrontos com a sociedade".

    Assim, o presidente reiterou o pedido que fez na sexta-feira (7) para que "não haja mais bloqueios nem mais violência" e se retorne à tranquilidade.

    A Colômbia completou neste domingo (9) 12 dias de manifestações, que começaram em 28 de abril, em rejeição a um projeto polêmico de reforma fiscal promovido pelo governo, que, diante da pressão dos manifestantes, o retirou no último domingo (2).

    Contudo, as manifestações continuaram para exigir outras medidas ao governo, entre elas a retirada do projeto de reforma da saúde, a desmilitarização do campo e das cidades, o cumprimento do acordo de paz com as FARC, e o desmantelamento das organizações criminosas.

    Durante as mobilizações contra o governo, foram documentados abusos das forças de segurança, que reprimiram com violência os manifestantes. Há relatos, inclusive, de que alguns agentes chegaram a utilizar fogo real contra as pessoas.

    Diante desses abusos, as Nações Unidas (ONU), a Organização dos Estados Americanos (OEA), a União Europeia e organizações de direitos humanos, entre outros, vêm denunciando à comunidade internacional o uso desproporcional da força contra os manifestantes por parte da polícia da Colômbia.

    Mais:

    ONU e UE condenam violência policial em protestos na Colômbia
    Polícia, canhões d’água e confrontos: protestos antigovernamentais continuam na Colômbia
    Venezuela denuncia 'massacre' na Colômbia após mortes em manifestações
    Tags:
    indígenas, distúrbios, violência, Cali, manifestações, Iván Duque, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar