20:31 12 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    851
    Nos siga no

    Noah Green, o homem que jogou seu carro contra o edifício do Capitólio nesta sexta-feira (2), se autodenominou um seguidor da Nação do Islã.

    Enquanto a polícia nos EUA investiga se o crime possui alguma relação com atos terroristas, a imprensa norte-americana busca traçar o perfil de Noah Green.

    Segundo o The New York Times, Noah Green sofria de problemas mentais, e alegava que agências do governo dos EUA o estavam espionando. Ele também mencionou ser seguidor de Louis Farrakhan, o líder da Nação do Islã.

    A imprensa cita publicações do criminoso em redes sociais. Green compartilhou confissões sobre as dificuldades de sua vida, incluindo a perda do emprego devido a aparentes problemas mentais.

    A polícia do Capitólio dos EUA investiga uma ameaça à segurança no Capitólio dos EUA em Washington, EUA, 2 de abril de 2021
    © REUTERS / Alexander Drago
    A polícia do Capitólio dos EUA investiga uma ameaça à segurança no Capitólio dos EUA em Washington, EUA, 2 de abril de 2021

    "Fui julgado com alguns dos maiores e inimagináveis ​​testes da minha vida. Atualmente estou desempregado, depois que deixei meu emprego, em parte devido a aflições", postou o homem que atacou o Capitólio.

    Apenas duas horas antes do ataque, segundo a CNN, o suspeito publicou um vídeo com uma legenda que dizia: "O governo dos Estados Unidos é o inimigo número um dos negros!".

    Em outra publicação, Green alegou que Farrakhan o salvou "depois das terríveis aflições que sofri, presumivelmente pela CIA e pelo FBI, agências governamentais dos Estados Unidos da América".

    A Polícia do Capitólio confirmou a identidade de um dos dois policiais, que morreu devido aos ferimentos após o ataque: William Evans, que estava há 18 anos na força de segurança do prédio. O presidente Joe Biden expressou condolências e disse que ordenou que a bandeira da Casa Branca fosse baixada a meio mastro.

    ​Parece que um carro bateu na barreira. Duas pessoas estão em macas. Não consigo ver se é um oficial ou civil.

    Mais:

    FBI não identifica presença de infiltrados anti-Trump em invasão do Capitólio
    Polícia nos EUA fala sobre possível conspiração de milícias para violar o Capitólio
    Relatório sugere mudanças profundas na segurança do Capitólio após invasão em janeiro
    Tags:
    Washington, DC, terrorista, terrorismo, ataque, imprensa, FBI, CIA, Capitólio, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar