12:06 22 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)
    0 70
    Nos siga no

    Na pesquisa, realizada por pesquisadores do Centro de Doenças do Fígado de Toronto, no Canadá, com uma única dose, os pacientes tiveram probabilidade quatro vezes maior de recuperação da COVID-19 nos sete dias seguintes, na comparação com o grupo que tomou placebo.

    Uma nova pesquisa apontou que uma droga antiviral experimental acelera a recuperação de pacientes não hospitalizados com COVID-19. Por interromper antes do tempo a transmissão do vírus, o medicamento também tende a diminuir a infecção comunitária.

    Chamada de peginterferon-lambda, a droga é feita a partir de uma proteína produzida pelo corpo diante de uma infecção viral, da mesma classe que os interferons. A função dessa enzima é ativar alguns mecanismos celulares responsáveis por matar o vírus, que agem impedindo a replicação viral.

    Uma das principais causas de morte pelo coronavírus é a reação desproporcional do sistema imune que ataca o próprio organismo, e não o SARS-CoV-2. E o antiviral redireciona o sistema de defesa do corpo para atacar o vírus em vez dos próprios órgãos.

    Funcionários do Instituto Butantan trabalham na produção da vacina contra o coronavírus CoronaVac
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Funcionários do Instituto Butantan trabalham na produção da vacina contra o coronavírus CoronaVac

    No estudo, feito por pesquisadores do Centro de Doenças do Fígado de Toronto, ligado à Universidade Health Network (UHN), contou com 60 participantes, sendo 30 que receberam o medicamento e outros 30 que tomaram placebo. Os resultados foram publicados neste mês na revista especializada Lancet Respiratory Medicine, do grupo The Lancet, a mais prestigiada revista científica da área médica.

    De acordo com a pesquisa, quem recebeu uma aplicação de peginterferon-lambda teve probabilidade quatro vezes maior de recuperação da COVID-19 nos sete dias seguintes, na comparação com o grupo que tomou placebo.

    Além disso, 79% dos pacientes com alta carga viral (mais de um milhão de cópias do vírus por ml) se recuperaram da doença recebendo o tratamento. No outro grupo, apenas 38% conseguiram superar a COVID-19.

    "Os pacientes que foram tratados com o peginterferon-lambda eliminaram o vírus rapidamente, e o efeito foi mais pronunciado naqueles com alta carga viral. Nós também vimos uma tendência de melhora mais rápida dos sintomas respiratórios no grupo da intervenção", contou o especialista em doença de fígado e primeiro autor do estudo, Jordan Feld.
    Tema:
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)

    Mais:

    Brasil segue com média de mortes diárias por COVID-19 acima de 1.000 após 33 dias
    Irã planeja produzir mais de 40 milhões de doses da vacina Sputnik V contra COVID-19
    Bahia: 1ª vacinada pega COVID-19 antes de tomar a 2ª dose
    Tags:
    recuperação, pacientes, Canadá, pandemia, pesquisas, estudo, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar