02:10 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)
    0 90
    Nos siga no

    Neste domingo (21), a Argentina aprovou o uso da vacina chinesa contra o novo coronavírus desenvolvida pela farmacêutica Sinopharm.

    Conforme publicou o jornal argentino La Nacion, a nova ministra da Saúde do país, Carla Vizzotti, autorizou o uso emergencial da vacina da Sinopharm, neste domingo (21).

    Segundo o La Nacion, a Argentina espera receber um milhão de doses da vacina chinesa na próxima quinta-feira (25), o que será suficiente para vacinar 500 mil pessoas. Assim como outras vacinas, o fármaco da Sinopharm exige a aplicação de duas doses por pessoa.

    A Argentina também espera ainda obter um novo lote da vacina russa Sputnik V em um futuro próximo. O imunizante foi o primeiro a ser utilizado no país sul-americano.

    Vacina Sputnik V chega no aeroporto de Buenos Aires, na Argentina
    © REUTERS / Agustin Marcarian
    Vacina Sputnik V chega no aeroporto de Buenos Aires, na Argentina

    No início deste mês, a Argentina recebeu as primeiras 580 mil doses da vacina Covishield, da AstraZeneca/Oxford, produzida na Índia. Além das vacinas citadas, a Argentina também autorizou o uso do imunizante desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech.

    A Argentina foi um dos países mais impactados pela pandemia na região. Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o país acumula 2.064.334 casos confirmados de COVID-19 e 51.198 mortes causadas pela doença. Conforme o painel do site Our World in Data, 707.148 argentinos já receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra o novo coronavírus.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no final de fevereiro de 2021 (71)

    Mais:

    Carlos Menem, ex-presidente argentino, morre aos 90 anos (VÍDEO)
    Vizinho de dinossauros: nova espécie extinta descoberta na Argentina
    Presidente argentino pede demissão do ministro da Saúde após escândalo de 'fura-fila' na vacinação
    Tags:
    Sputnik V, COVID-19, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar