18:21 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    127
    Nos siga no

    Cuba entrou para a lista de países patrocinadores do terrorismo em 1982, no governo de Ronald Reagan. O Departamento de Estado dos EUA removeu a ilha caribenha da lista em 2015 sob a administração Barack Obama.

    O Departamento de Estado e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, prepararam uma proposta para designar Cuba como um país patrocinador do terrorismo, afirma o jornal The New York Times. A medida complicaria os planos do futuro presidente Joe Biden de aliviar a pressão dos EUA na ilha caribenha e retomar o caminho de harmonia iniciado pela presidência de Barack Obama.

    Definir um país como tal implica "apoiar repetidamente atos de terrorismo internacional", lembra a mídia, e automaticamente desencadeia sanções norte-americanas contra esse governo. Se adicionada à lista, Cuba se juntaria a apenas três outras nações: Irã, Coreia do Norte e Síria.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Boa Vista, Roraima.
    © AP Photo / Bruno Mancinelle
    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Boa Vista, Roraima.
    A decisão viria três semanas antes de Biden ser nomeado presidente. Pompeo agora deve decidir se assinará o plano. "Uma medida que também serviria como um agradecimento aos cubano-americanos e outros latinos anticomunistas na Flórida que apoiaram fortemente Trump e seus companheiros republicanos nas eleições de novembro", afirmou o secretário.

    Na terça-feira (29), os democratas criticaram a proposta, além da "mudança de última hora na política externa" que isso significaria por parte do governo republicano. No entanto, os democratas podem retirar a ilha da lista depois que Biden tomar posse como presidente dos EUA. Embora o processo possa levar meses.

    O Departamento de Estado dos EUA, todavia, já informou ao Congresso em maio que Cuba estava entre os cinco países que "não cooperaram plenamente" na luta contra o terrorismo. Entre vários motivos citados pelos funcionários do governo Trump para a inserção do país na lista, está o fato de a ilha apoiar o governo o presidente venezuelano Nicolás Maduro.

    Cuba fazia parte da lista de países patrocinadores do terrorismo desde 1982, no governo de Ronald Reagan. O Departamento de Estado o removeu dessa lista em 2015 sob a administração Obama. Os democratas retiraram as sanções econômicas, relaxaram as restrições de viagens e comércio e reabriram uma embaixada em Havana pela primeira vez em décadas.

    Visita do presidente dos EUA, Barack Obama, à Cuba.
    © REUTERS / Carlos Barria
    Visita do presidente dos EUA, Barack Obama, à Cuba.

    Reação de Havana

    O chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla denunciou os planos dos EUA no Twitter.

    ​Denuncio a manobra do secretário de Estado Pompeo para incluir Cuba em sua lista de Estados patrocinadores do terrorismo e para agradar a minoria anticubana na Flórida. EUA garantem refúgio e impunidade aos grupos terroristas que atuam contra Cuba a partir de seu território.

    Na opinião das autoridades da ilha, essas e outras medidas adotadas pela Casa Branca recentemente visam também intensificar o bloqueio econômico, comercial e financeiro contra Havana, estabelecido em 1962.

    Mais:

    Presidente de Cuba fala em 'farsa' e condena a interferência dos EUA
    Lula comunica à Justiça que vai para Cuba gravar documentário
    Cuba marca reforma monetária para janeiro
    Síndrome de Havana: Cuba responde ao relatório dos EUA sobre doença misteriosa de diplomatas
    Tags:
    Joe Biden, Donald Trump, Departamento de Estado dos EUA, EUA, Cuba, terrorismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar