22:01 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    140
    Nos siga no

    O democrata Joe Biden prometeu nesta terça-feira (8) que seu governo, uma vez empossado, garantirá 100 milhões de aplicações da vacina contra a COVID-19 nos primeiros 100 dias de gestão.

    Biden deu a declaração durante coletiva de imprensa na cidade norte-americana de Wilmington, no estado de Delaware.

    "Esta equipe ajudará a obter pelo menos 100 milhões de vacinas de COVID-19 nos primeiros 100 dias", disse Biden a repórteres.

    O ex-vice-presidente disse ainda que o surto da COVID-19 nos EUA pode piorar antes de melhorar, uma vez que o país segue sob os efeitos de uma segunda onda da pandemia. Conforme apontou Biden, financiamento adicional do Congresso será necessário no início do próximo ano para garantir os recursos necessários para o restante dos esforços de distribuição da vacina e para evitar que a resposta dos EUA contra a pandemia seja interrompida.

    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Yves Herman
    Em Purs, na Bélgica, um caminhão refrigerado deixa um fábrica da Pfizer, em 3 de dezembro de 2020

    Biden também disse que deseja que as escolas dos EUA sejam abertas até o final dos primeiros 100 dias de sua Presidência, a depender de ações do Congresso norte-americano no combate dos efeitos da pandemia no país.

    Espera-se que o governo dos EUA aprove duas vacinas candidatas nos próximos dias para administrar dezenas de milhões de doses ainda em dezembro, com mais centenas de milhões a mais nos meses subsequentes. O plano é vacinar quase todos os cidadãos norte-americanos até o final do segundo trimestre de 2021.

    Idoso chamado William Shakespeare se torna a 2ª pessoa a tomar a vacina das farmacêuticas Pfizer/BioNTech contra a COVID-19 no mundo, Reino Unido
    © REUTERS / Jacob King
    Idoso chamado William Shakespeare se torna a 2ª pessoa a tomar a vacina das farmacêuticas Pfizer/BioNTech contra a COVID-19 no mundo, Reino Unido

    Conforme os dados da Universidade Johns Hopkins, os EUA são o país mais impactado pela pandemia do novo coronavírus em números absolutos de casos e mortes. Até agora foram registrados no país mais de 15 milhões de casos de COVID-19, enquanto as mortes caminham para 286 mil.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Sanções 'desumanas' dos EUA impedem Irã de comprar vacinas contra COVID-19, segundo Banco Central
    À espera da posse de Biden e anulação das sanções, Irã planeja aumentar produção de petróleo
    Biden nomeará ex-chefe do Comando Central para assumir Departamento de Defesa
    Tags:
    Joe Biden, Washington, COVID-19, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar