00:31 16 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    2618
    Nos siga no

    Governo Trump está perto de declarar que 89 empresas chinesas não poderão comprar uma variedade de produtos e tecnologia dos EUA.

    Segundo informações publicadas pela Reuters, o governo Trump quer punir 89 empresas de aviação chinesas e diversas outras companhias por supostas ligações com os militares chineses.

    A "lista negra" dos EUA também faz referência a 28 entidades russas, incluindo a Irkut, cujo objetivo é o ingresso no mercado de Boeing com o desenvolvimento do jato MC-21.

    Oleg Kononenko e Roman Taskaev, pilotos que testaram o novo avião russo MC-21 em 28 de maio de 2017, são vistos no aeródromo da Fábrica de Aviação de Irkutsk
    © Foto / Assessoria de imprensa da corporação Irkut
    Oleg Kononenko e Roman Taskaev, pilotos que testaram o novo avião russo MC-21 em 28 de maio de 2017, são vistos no aeródromo da Fábrica de Aviação de Irkutsk
    A empresas incluídas na lista podem sofrer uma série de restrições para importar produtos dos EUA.

    O Departamento de Comércio norte-americano disse que a capacidade de controlar o fluxo de tecnologia dos EUA para as empresas listadas era "vital para proteger os interesses de segurança nacional do país".

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que a China "se opõe firmemente à supressão não provocada das empresas chinesas pelos Estados Unidos".

    Firmas como Commercial Aircraft Corp of China Ltd (COMAC), Aviation Industry Corporation of China (AVIC) e outras foram adicionadas à lista que identifica as empresas chinesas e russas como "usuários com finalidade militar".

    De acordo com o ex-funcionário do Departamento de Comércio, Kevin Wolf, a lista pode ser modificada antes de ser liberada pelo Registro Federal em meados de dezembro, quando o Colégio Eleitoral vota para um novo presidente.

    Chefe executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, fala com um membro da tripulação de um avião Boeing KC-46 no Salão Aéreo de Paris, em Le Bourget, leste de Paris, França, 17 de junho de 2019
    © AP Photo / Michel Euler
    Chefe executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, junto de um avião Boeing KC-46
    Porém, "apenas criar uma lista e preenchê-la é um ato provocativo" que pode desencadear retaliação de Pequim, disse um ex-funcionário não identificado dos EUA e citado pela Reuters.

    Para ele, a listagem também pode ser um aceno aos concorrentes europeus isentos das restrições aos mercados dos EUA.

    A notícia a respeito da lista acontece em um momento delicado para a indústria aeroespacial norte-americana. A Boeing busca a aprovação chinesa para seu 737 MAX, depois que ele foi aprovado pelos reguladores dos EUA na semana passada.

    Em março de 2019, a China foi a primeira nação a suspender o jato após dois acidentes fatais. A Agência de Segurança da Aviação da UE (EASA) também permitiu que o avião voltasse a voar em meados de outubro, depois que os reguladores declararam que as mudanças necessárias haviam sido feitas.

    A China foi o primeiro país a pousar a aeronave em março do ano passado, depois de dois acidentes mortais de avião, matando 346 pessoas.

    • Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020
      Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020
      © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    • No local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã
      No local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã
      © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    • Boeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo)
      Boeing 777 da companhia Kuwait Airways (imagem de arquivo)
    • Destroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016
      Destroços do Boeing 737-800 que caiui no aeroporto de Rostov-no-Don, Rússia, 19 de março de 2016
      © Foto / Ministério para Situções de Emergência da Rússia
    • Tragédia do Boeing 777 perto de Shahtersk, Donetsk
      Tragédia do Boeing 777 perto de Shahtersk, Donetsk
      © Sputnik / Andrei Stenin
    • Operação de busca do Boeing 777 da Malaysia Airlines
      Operação de busca do Boeing 777 da Malaysia Airlines
      © AP Photo /
    1 / 6
    © AP Photo / Ebrahim Noroozi
    Estudantes reunidos na Universidade Amri Kabir, em Teerã, para prestar homenagem às vítimas do Boeing 737-800 ucraniano, em 11 de janeiro de 2020

    Mais:

    Susto no ar: passageiro faz VÍDEO de turbina de Boeing em chamas durante decolagem assustadora
    Com inteligência artificial, drone da Boeing finaliza seu 1º táxi (VÍDEO)
    Boeing da British Airways pega fogo em aeroporto espanhol (VÍDEO)
    Tags:
    China, eua, Rússia, avião, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar