05:27 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    423
    Nos siga no

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse a repórteres na Casa Branca que ninguém sabe ainda exatamente o que causou a explosão no porto de Beirute na terça-feira (4).

    "Eles realmente não sabem o que é, ninguém sabe ainda", disse Trump nesta quarta-feira (5) durante coletiva de imprensa. "Estamos investigando isso com muita atenção. Algumas pessoas acham que foi um ataque e outras acham que não foi", acrescentou.

    Mais cedo, o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, disse que a maioria das Forças Armadas dos EUA acha que a explosão foi um acidente. No entanto, na terça-feira (4), Trump disse ter ouvido de generais dos EUA que a explosão foi resultado de uma bomba.

    No início desta quarta-feira (5), o ministro da Saúde do Líbano, Hamad Hassan, disse que o número de mortos na explosão subiu para 135 e o número de feridos aumentou para cinco mil.

    Em Beirute, dois homens caminham no local de uma grande explosão ocorrida na capital libanesa em 4 de agosto de 2020.
    © REUTERS / Mohamed Azakir
    Em Beirute, dois homens caminham no local de uma grande explosão ocorrida na capital libanesa em 4 de agosto de 2020.

    O governador de Beirute, Marwan Abboud, disse que os danos da explosão na capital libanesa tiveram valor estimado entre US$ 10 bilhões (cerca de R$ 52 bilhões) e US$ 15 bilhões (cerca de R$ 79 bilhões).

    Segundo as autoridades libanesas, as explosões foram causadas pelo armazenamento inadequado de 2.750 toneladas de nitrato de amônio. As explosões danificaram metade dos edifícios de Beirute e cerca de 300 mil pessoas ficaram desabrigadas.

    Mais:

    Explosão em Beirute deixou Líbano à beira do abismo, dizem economistas
    Líbano depende da ajuda internacional para nova reconstrução após 30 anos, diz professor libanês
    Generais dos EUA acreditam que explosão no Líbano foi causada por uma bomba, diz Trump
    Tags:
    Mark Esper, EUA, Líbano, Beirute, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar