07:52 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    325
    Nos siga no

    A Boeing anunciou nesta quarta-feira (27) a retomada parcial da produção do avião comercial 737 MAX em sua fábrica de Renton, em Washington.

    Apesar de reiniciar a produção com uma taxa reduzida, a empresa planeja elevá-la gradualmente ao longo de 2020.

    "Estamos em uma jornada contínua para desenvolver nosso sistema de produção e torná-lo ainda mais forte [...] Estas iniciativas são o próximo passo para a criação de um ambiente de construção ideal do 737 MAX", afirmou no site oficial da empresa o vice-presidente e gerente geral do programa 737 MAX, Walt Odisho.

    De acordo com o vice-presidente de fabricação do 737 MAX, Scott Stocker, a empresa tomou todas as medidas para alcançar 100% de qualidade da produção e garantir a segurança no local de trabalho.

    Avião 737 Max da Boeing no Aeroporto Municipal de Renton, Estados Unidos
    © AP Photo / Ted S. Warren
    Avião 737 Max da Boeing no Aeroporto Municipal de Renton, Estados Unidos

    "As medidas que adotamos na fábrica ajudarão a impulsionar nossa meta de atingir 100% de qualidade para nossos clientes, além de apoiar nosso compromisso contínuo com a segurança no local de trabalho", afirmou Scott Stocker.

    A Boeing confirmou nesta quarta-feira (29) que vai reduzir seus postos de trabalho mundiais em 10%, o que representa um corte de 16.000 empregos.

    Em dezembro, a Boeing anunciou que suspenderia a produção do 737 MAX após dois acidentes fatais, um da Lion Air na Indonésia em outubro de 2018, que deixou 189 mortos e outro da Ethiopian Airlines em março de 2019, que causou a morte de 157 pessoas.

    Mais:

    Embraer inicia arbitragem contra Boeing, e China aparece como 'nova favorita'
    Embraer reajusta produção após rescisão de acordo pela Boeing
    Como colapso de acordo entre Boeing e Embraer poderia afetar o C-390 Millenium?
    Tags:
    jato, avião, fábrica, produção, Boeing 737, Boeing
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar