13:14 07 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)
    392
    Nos siga no

    A Argentina decidiu estender o confinamento no país até o dia sete de junho deste ano, anunciou o presidente do país, Alberto Fernández.

    O anúncio da decisão vem logo após o país registrar um aumento diário recorde de casos do novo coronavírus. A Argentina está sob imposição de isolamento social desde o dia 20 de março. 

    "Vamos estender o isolamento obrigatório até sete de junho", afirmou Fernández em entrevista coletiva transmitida no Twitter no sábado (23).

    Na sexta-feira (22), a Argentina registrou 718 novos casos do novo coronavírus, o maior número diário registrado no país, onde mais de 11 mil casos de COVID-19 foram confirmados até o momento, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. O número de mortes por COVID-19 na Argentina passa de 400.

    Funcionário com traje de proteção realiza limpeza de metrô na capital argentina, Buenos Aires
    © AP Photo / Natacha Pisarenko
    Funcionário com traje de proteção realiza limpeza de metrô na capital argentina, Buenos Aires

    A Argentina proibiu estritamente a venda e compra de passagens para voos comerciais no país até o início de setembro deste ano, como uma forma de evitar a importação de casos da doença.

    O país vizinho, o Brasil, com o qual a Argentina mantém fortes laços comerciais, tornou-se o país com o segundo maior número de casos de COVID-19 no mundo ainda na sexta-feira (22). Atualmente, existem mais de 347 mil casos confirmados de COVID-19 no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde brasileiro.

    Tema:
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)

    Mais:

    COVID-19: Argentina prorroga quarentena até 24 de maio
    Abismo entre Brasil e Argentina coloca em dúvida própria existência do Mercosul, alerta especialista
    Preso no Brasil, militar acusado de crimes contra humanidade na Argentina é extraditado
    Dengue assola Argentina em meio à pandemia da COVID-19
    Tags:
    COVID-19, Brasil, Argentina, Alberto Fernández
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar