15:26 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    322
    Nos siga no

    As autoridades chilenas pediram ao Fundo Monetário Internacional (FMI) uma linha de crédito flexível de cerca de US$ 23,8 bilhões (R$ 140 bilhões) em dois anos, informou a instituição.

    A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, pretende recomendar a aprovação do pedido devido aos "fundamentos econômicos muito fortes, estruturas de políticas institucionais e histórico" do Chile, segundo o comunicado publicado na terça-feira (12).

    "Essa linha de crédito ajuda a proteger contra choques externos, fornecendo aos países com estruturas de políticas muito fortes e histórico de desempenho econômico, amplo acesso antecipado aos recursos do FMI", diz o documento.

    Desde outubro de 2019, protestos em massa contra o presidente chileno, Sebastián Piñera, tomam conta do Chile. A crise política foi agravada pela pandemia do novo coronavírus. Na semana passada, o país ordenou novas medidas rigorosas de quarentena em três distritos da capital Santiago, após um repentino aumento nos casos da doença.

    Protestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019
    © AP Photo / Esteban Felix
    Protestos em Santiago, no Chile, 20 de outubro de 2019

    Conforme aponta a agência AFP, os toques de recolher e quarentenas impostos como parte das medidas contra a pandemia acalmaram, em parte, a onda de protestos.

    Ainda segundo a agência, o FMI alertou que a crise econômica devido à pandemia pode atingir países como o Chile com novos protestos impulsionados por possíveis insuficiências das medidas de combate à pandemia.

    Mais:

    FMI: gastos globais com efeitos da COVID-19 já atingem US$ 8 trilhões
    Presidente do Chile decreta estado de catástrofe
    Chile deve enfrentar pior fase da pandemia nas próximas semanas, diz Piñera
    Tags:
    Sebastián Piñera, Kristalina Georgieva, FMI, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar