11:05 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)
    5216
    Nos siga no

    Falta de material e de pessoal médico, corpos abandonados, perdidos ou cremados sem velório ou funeral e número de infectados em crescimento. A pandemia atacou com força o Equador.

    Equador é o segundo país da América Latina com o maior número de mortes por coronavírus – 60, ficando atrás somente do Brasil, com 159 falecimentos registrados até 30 de março.

    Contudo, em média por pessoa, o Equador seria o mais afetado da região, por ter 12 vezes menos população que o gigante sul-americano e o seu território ser 30 vezes menor, relata o portal RT.

    Vala comum

    No Equador, está em vigor um "estado de exceção", que, entre outras coisas, suspendeu a liberdade de reunião, a fim de deter a propagação do coronavírus no país. Em consequência, velórios são proibidos, quer o falecido estivesse infectado ou não.

    Por outro lado, as autoridades elaboraram um "Protocolo para a manipulação e eliminação de corpos com antecedentes e presunção de COVID-19", do qual existem duas versões, uma para casos de morte em centros hospitalares e outra para falecimentos que ocorram fora desses locais.

    Os protocolos estipulam que somente dois familiares e de primeiro grau podem liberar o corpo, sempre sem contato físico, não podendo a sua presença ultrapassar os cinco minutos, sendo o cadáver imediatamente cremado após a presença de um familiar. Em certos casos, permite-se o enterro físico, mas sem velório.

    No entanto, em 27 de março, foi confirmado que o vice-presidente do país, Otto Sonnenholzner, havia anunciado a construção de uma sepultura comum em um cemitério da cidade de Guayaquil, a cidade com mais casos de coronavírus no Equador, com posterior edificação de um mausoléu.

    Parentes e conhecidos dos falecidos, assim como a mídia local, relataram que muitos corpos continuam amontoados em hospitais públicos e clínicas privadas em Guayaquil, muitos queixando-se de faltas de respostas e da demora em localizar os defuntos.

    Testes de coronavírus negados

    Familiares e conhecidos dos mortos queixaram-se igualmente que algumas dessas vítimas não tiveram acesso a cuidados e testes para determinar se tinham contraído o coronavírus.

    Entre essas vítimas está o jornalista Victor Hugo Pena Black, ex-funcionário de uma estação de televisão local, que foi mandado para casa sem primeiro ser testado para o coronavírus e morreu dois dias depois, relatou seu tio Jorge Black.

    Nas redondezas dos cemitérios de Guayaquil, parentes fazem fila para acessar a cremação ou o enterro dos corpos.

    Problemas na coleta de corpos

    Devido à restrição de circulação que existe no país e à proibição de realizar velórios, os familiares das pessoas falecidas em suas casas são obrigados a chamar as autoridades, para recolher os corpos. Muitos se queixam da lentidão da resposta, havendo relatos de 15 horas de espera para levantar o cadáver.

    Um cidadão postou um vídeo de seu irmão, falecido em plena calçada. Por falta de veículos do SAMU, o corpo só seria removido da rua no dia seguinte.

    Nós estamos ajudando a Saúde Pública para acelerar a transferência de falecidos, aumentando o número de veículos para este fim. Agradeço à Polícia e à CTE pelo empenho e dedicação

    Na semana passada, em uma entrevista de rádio, a ministra do Governo María Paula Romo informou que entre 24 e 26 de março as autoridades recolheram 100 corpos, todos em Guayaquil, falecidos devido ao coronavírus ou por outras circunstâncias.

    Situação crítica

    A situação nos hospitais também atingiu níveis críticos. Muitos cidadãos com sintomas têm sido colocados do lado de fora dos hospitais e unidades de atendimento em Guayaquil, onde alguns são oxigenados em pleno exterior.

    Drama no exterior dos hospitais em Guayaquil

    Quanto à situação dos médicos, enfermeiros e outros agentes de saúde, só em 26 de março, após numerosas queixas, o novo ministro da Saúde, Juan Carlos Zevallos, informou que lhes seriam finalmente disponibilizados trajes de biossegurança.

    Entretanto, o vice-presidente equatoriano Sonnenholzner anunciou a contratação de mais de 400 médicos para atender à emergência, bem como US$ 69 milhões (R$ 358 milhões) para material médico e equipamentos de segurança para os profissionais de saúde e US$ 115 milhões (R$ 596,7 milhões) destinados a equipamentos para unidades de terapia intensiva e testes.

    Contudo, e de acordo com a Organização Sindical Nacional Única dos Trabalhadores do Ministério da Saúde Pública (Osuntramsa), em 2019, como parte do Plano de Prosperidade 2018-2021 e do Plano de Otimização da Função Executiva, mais de 2.500 trabalhadores do setor de saúde foram demitidos.

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (101)

    Mais:

    Coronavírus: Rússia pode fornecer hospitais móveis para países da América Latina
    Crise da COVID-19 pode aumentar conflito social na América Latina, dizem analistas
    COVID-19: China e Rússia ganham aos EUA na América Latina com poder brando, diz especialista
    Tags:
    Equador, COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar