04:52 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    7137
    Nos siga no

    A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA, na sigla em inglês) teria monitorado durante décadas as comunicações diplomáticas e militares de países da América do Sul usando máquinas de criptografia.

    A investigação alega que a companhia se apresentou como uma empresa suíça, chamada Crypto AG (que era secretamente propriedade da CIA e da agência de inteligência alemã BND), e que fornecia máquinas de criptografia para as ditaduras latino-americanas, informa The Washington Post.

    Segundo o relatório, os governos ditatoriais da América Latina, na segunda metade do século passado, adquiriram as máquinas da Crypto AG para realizar a Operação Condor – um sistema continental caracterizado pelo extermínio e desaparecimento forçado de opositores políticos desses regimes, que envolveu países como Chile, Paraguai, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina.

    O jornal escreve que as ditaduras latino-americanas não sabiam que os dispositivos, usados para enviar mensagens criptografadas, tinham sido adulterados e que os EUA estavam usando-os para espionar suas comunicações.

    Com essa espionagem, os EUA puderam conhecer as atrocidades cometidas por estas ditaduras, que deixaram os funcionários da CIA alarmados com as violações dos direitos humanos. Apesar disso, os arquivos não revelaram nenhum esforço substancial por parte de agências de espionagem ou de altos funcionários americanos para deter as violações dos direitos humanos nos países envolvidos.

    Ato em memória da ditadura civil-militar no Rio de Janeiro, em 2014.
    © AP Photo / Felipe Dana
    Ato em memória da ditadura civil-militar no Rio de Janeiro, em 2014.

    Essa não é a primeira vez que segredos da operação são revelados. Em abril de 2019, Washington enviou à Argentina documentos desclassificados revelando o terrorismo de Estado das ditaduras.

    Espionagem em mais de 100 países                 

    Além da América Latina, a Crypto AG vendeu máquinas manipuladas para mais de 100 nações, permitindo que a inteligência norte-americana adquirisse conhecimento de outros acontecimentos turbulentos em vários continentes.

    A empresa de criptografia foi liquidada em 2018 e seus ativos foram adquiridos por duas empresas: CyOne Security, que vende sistemas de segurança para o governo suíço, e Crypto International.

    Mais:

    Evo Morales acusa EUA de serem 'cúmplices do golpe' na Bolívia 'como nos tempos do Plano Condor'
    Veteranos da CIA e Área 51 revelam o que um aparelho da Guerra Fria tem a ver com aparições de OVNIs
    Durante a Guerra Fria os melhores agentes da CIA não eram humanos, revelam documentos
    Tags:
    criptografia, espionagem, América do Sul, Operação Condor, CIA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar