14:17 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    11614
    Nos siga no

    Em uma sessão improvisada fora do palácio legislativo e sem a presença de parlamentares chavistas, o líder opositor Juan Guaidó foi reeleito neste domingo (5) chefe da Assembleia Nacional.

    Mais cedo, Guaidó tinha sido substituído do cargo de presidente da Casa em votação realizada no Parlamento. 

    Membros da alava chavista "Bloque de la Patria" e setores da oposição que romperam com Guaidó votaram contra sua reeleição, escolhendo o deputado Luis Parra e uma nova direção para comandar o legislativo. 

    A eleição foi criticada por alguns parlamentares, que dizem que a decisão foi tomada sem o quórum necessário, já que a Assembleia Nacional estava cercada por militares da Guarda Nacional Bolivariana e muitos não teriam conseguido entrar no local. 

    O governo e os parlamentares chavistas, no entanto, afirmam que oposicionistas e Guaidó, que não estava presente na hora da votação, não participaram da sessão para evitar uma derrota

    Maduro diz que Guaidó foi vítima de 'rebelião' da própria oposição

    Durante inauguração de um estádio esportivo no estado de La Guaira, Maduro disse que Guaidó perdeu devido a uma "rebelião dos próprios deputados e deputadas da oposição".

    Na eleição posterior, realizada apenas com a oposição, Guaidó obteve os 100 votos dos congressistas presentes. O ato aconteceu no auditório de um jornal. 

    Tanto Brasil como Estados Unidos afirmaram que não reconheceram a primeira votação, na qual Guaidó não foi reeleito. 

    Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro e procura destituir do cargo o presidente Nicolás Maduro.

    Mais:

    Maduro diz que Colômbia 'financia violência e golpe' contra Venezuela
    Venezuela pede ao Brasil entrega de 5 militares desertores envolvidos no ataque a batalhão
    Rússia doa 1,5 milhão de vacinas contra a gripe à Venezuela
    Tags:
    nicolás maduro, Crise, Assembleia Nacional, congresso, parlamento, chavismo, Juan Guaidó, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar