05:07 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9222
    Nos siga no

    O ex-presidente boliviano renunciou neste domingo (10) após convocar, horas antes, novas eleições nacionais para buscar a "paz" na nação andina.

    Rafael Correa, que presidiou o Equador de 2007 a 2017, comentou que o ocorrido neste final de semana, que levou a renúncia do presidente boliviano Evo Morales, é um flagrante golpe de Estado, em entrevista exclusiva ao canal RT.

    "Claramente houve um golpe de Estado", afirmou Correa. "É uma insubordinação das Forças Armadas, isso não pode existir em um Estado constitucional de direito, em uma democracia", acrescentou o equatoriano. Correa criticou a Organização dos Estados Americanos (OEA) por não condenar o ocorrido porque se sucedeu na Bolívia.

    De acordo com Correa, "se Evo Morales não tivesse renunciado, haveria banho de sangue, porque não haveria ordem pública". Ainda assim, assegurou que não existirá uma verdadeira democracia até que os árbitros da mesma sejam cidadãos, "não os uniformizados".

    O ex-presidente equatoriano não exclui a participação de forças estrangeiras no "golpe de Estado" na Bolívia.

    'Moral dupla em tudo isso'

    "Você pode ver a moral dupla que existe em tudo isso. Para a direita, a democracia é válida quando cumpre seus interesses", indicou Correa. Seguindo o mesmo posicionamento, assegurou que quando a democracia deixa de cumprir os interesses da direita "é preciso alterar a situação a sangue e fogo, como estamos vendo na Bolívia".

    Nicolás Maduro, Evo Morales e Rafael Correa durante abertura de cúpula da Aliança Bolivariana para as Américas (ALBA) - julho de 2013
    © AP Photo / Dolores Ochoa
    Nicolás Maduro, Evo Morales e Rafael Correa durante abertura de cúpula da Aliança Bolivariana para as Américas (ALBA) - julho de 2013

    Correa diz que a situação atual na Bolívia é inaceitável e recordou que o ocorrido antes em países como Brasil, Argentina e Equador, onde – assegurou – "sustentam a sangue e fogo um traidor inútil como Moreno".

    O ex-presidente equatoriano acredita que o povo boliviano, após 13 anos de Morales no poder, conheceu a dignidade e a prosperidade. Em sua opinião, após esta difícil conjuntura, "a América Latina se convencerá de que a OEA não serve para nada, que é um instrumento de dominação dos EUA".

    "Querem eleições sem Morales para que ganhem os desejados por eles", acrescentou Correa em referência à OEA e sua maneira de atuar no continente sul-americano. "Acabam de retirar à força um presidente que acabou de ganhar amplamente, com mais de 10 pontos, as eleições", concluiu Rafael Correa, que insistiu que Morales deveria continuar sendo presidente por ter sido "eleito democraticamente".

    A Bolívia vive submetida a um forte período de incerteza política desde que o presidente Evo Morales e seu vice-presidente Álvaro García Linera renunciarem neste domingo, após uma onda de demissões dentro de seu governo.

    Horas antes, Morales convocou novas eleições nacionais, seguindo recomendações da OEA com o intuito de buscar "a paz na Bolívia". No entanto, a proposta foi recusada pelo seu rival nas últimas eleições presidências, Carlos Mesa, que instigou grupos opositores a manter mobilizações nas ruas até que aceitasse celebrar eleições sem a participação de Morales nem de García Linera.

    Mais:

    Tribunal Penal do Equador ratifica prisão preventiva contra ex-presidente Rafael Correa
    Putin e Bolsonaro vão discutir na cúpula do BRICS situação na região, inclusive eventos na Bolívia
    México denuncia golpe na Bolívia e exige respeito à ordem constitucional
    Tags:
    eleições, Rafael Correa, Evo Morales, Bolívia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar