18:00 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio

    EUA querem 'dominar o mundo com uma visão de supremacia', diz ministro venezuelano

    © Sputnik / Vitaly Timkiv
    Américas
    URL curta
    5111
    Nos siga no

    A Venezuela está diversificando seu mercado petroleiro por meio do alargamento da cooperação com seus parceiros globais, de maneira a superar o efeito das sanções dos Estados Unidos, que afetaram seu setor energético.

    O ministro do Petróleo da Venezuela e presidente da empresa estatal venezuelana PDVSA, Manuel Quevedo, declarou à Sputnik Mundo que a Venezuela tenciona diversificar seu mercado petrolífero frente às sanções dos EUA.

    "Fizemos um plano, temos uma diversificação do mercado […] O mercado norte-americano é importante, mas existem outros mercados e a Venezuela tem diversificado, temos outros objetivos, temos outros aliados estratégicos, por isso vamos crescendo, consolidando", disse Manuel Quevedo.

    Ele também destacou que o seu país tem um grande potencial na produção petroleira.

    "Nós superamos os três milhões (de barris diários) em alguns anos, tínhamos o plano de chegar a cinco e seis milhões no Plano da Pátria", explicou.

    No entanto, a produção venezuelana caiu para menos de um milhão de barris diários devido às sanções do governo estadunidense de Donald Trump, disse o ministro.

    "Roubaram nossos ativos no exterior, roubaram a Citgo [empresa propriedade da PDVSA que possui refinarias nos EUA] se apropriaram de nossas contas em divisas no exterior, não só da PDVSA, mas também de recursos que eram para a compra de alimentos e medicamentos", declarou Quevedo.

    "São sanções criminosas que não vão só contra o setor energético, são um ataque impiedoso contra nosso povo", afirmou Quevedo.

    Apesar da situação, o ministro assegurou que a Venezuela tem um plano para chegar ao fim de 2019 produzindo pelo menos 1,6 milhões barris diários, que é o nível de estabilidade que o país tinha em 2018 e superar os dois milhões de barris diários em 2020.

    "Nós devemos recuperar a capacidade que tínhamos e investir recursos, atrair investimentos", adicionou.

    O ministro venezuelano também afirmou que os EUA querem "dominar o mundo com uma visão de supremacia", mas que essa conduta "não funciona nem nunca funcionará".

    Mais:

    Rússia confirma chegada de especialistas militares à Venezuela
    Venezuela fecha acordos de cooperação com Coreia do Norte
    Venezuela denuncia voos de vigilância dos EUA
    Tags:
    petróleo, sanções econômicas, Manuel Quevedo, Venezuela, PDVSA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar