16:56 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Embaixada dos EUA em Havana,Cuba

    'Melhora nas relações entre EUA e Cuba é irreversível, mesmo com Trump', diz chanceler

    © AP Photo / Pablo Martinez Monsivais, Pool
    Américas
    URL curta
    232
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse nesta terça-feira (1) que a melhora das relações entre o país caribenho e os EUA é irreversível, apesar do atual governo americano. 

    O ex-presidente Barack Obama promoveu ao lado do líder Raúl Castro uma aproximação diplomática e política entre as duas nações. No entanto, o atual presidente americano, Donald Trump, vem endurecendo o embargo contra Cuba, que tinha sido aliviado na gestão passada. 

    "Eu me descreveria como extremamente otimista. Há uma tendência histórica irreversível", afirmou Rodríguez em entrevista concedida para a agência AP. 

    Segundo o chanceler, mesmo que a administração Trump tenha cortado a comunicação com a ilha e pressione o governo cubano com restrições ao comércio de petróleo para o país, os avanços alcançados na época de Obama não podem ser desfeitos. 

    Para Rodríguez, as relações entre Cuba e EUA não voltarão ao nível anterior a dezembro de 2014, quando Obama e Castro anunciaram que as duas nações iriam restabelecer relações diplomáticas, o que foi efetivado em julho de 2017 ao Cuba reabrir sua embaixada em Washington. Em 14 de agosto de 2015, foi a vez da embaixada americana em Havana ser reaberta oficialmente. 

    'Comunidade cubana da Flórida apoia normalização das relações'

    "Tem havido níveis de comunicação e mútua familiaridade entre os povos dos dois países que é irreversível", afirmou o ministro. 

    Apesar disso, ele disse que Cuba está preparado para uma piora no diálogo durante a campanha presidencial nos EUA, pois, segundo o chanceler, Trump acredita que pode ganhar o apoio da comunidade cubana da Flórida ao endurecer as atitudes com o governo socialista. Para Rodríguez, no entanto, a crença é um "erro politico". 

    "Eu acredito que está provado que a maioria dos Cubanos na Flórida apoiam um avanço na normalização das relações e um alívio do bloqueio, e quanto mais jovens são, mais apoiam isso", disse.

    O chanceler também afirmou que Cuba vem tentando encontrar maneiras de comprar petróleo, apesar das tentativas contrárias do governo americano. Os EUA aplicaram sanções sobre embarcações que transportam o produto da Venezuela para Cuba. A medida, além de pressionar Cuba, busca diminuir as exportações venezuelanas e estrangular o governo de Nicolás Maduro. 

    Em fevereiro de 2016, Estados Unidos e Cuba assinaram acordo autorizando a retomada de uma série de voos diários entre os países. Em 2017, no entanto, Trump impôs uma série de restrições para americanos viajarem para a ilha.

    Mais:

    Assembleia Geral da ONU aprova resolução para suspender bloqueio dos EUA a Cuba
    Raúl Castro pede relação 'civilizada' com os EUA e libertação de Lula
    Venezuela: Trump ameaça Cuba com embargo total por apoio; Maduro preparou fuga, diz Pompeo
    O que há em comum entre os bloqueios a Cuba e Venezuela?
    Tags:
    petróleo, Venezuela, diplomacia, Donald Trump, embargo, EUA, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar