17:40 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Crianças de imigrantes ilegais que foram presos ao tentar entrar nos EUA são separadas das famílias e colocadas em jaulas.

    Criança imigrante de 2 anos morre sob custódia dos EUA

    © AP Photo / U.S. Customs and Border Protection's Rio Grande Valley Sector
    Américas
    URL curta
    111
    Nos siga no

    Uma autoridade da Guatemala disse que uma criança imigrante de 2 anos morreu após cruzar a fronteira dos EUA. Essa foi a 4ª morte de um menor a ter morrido depois de ser detido pela Patrulha da Fronteira norte-americana desde dezembro de 2018.

    O cônsul da Guatemala em Del Rio, no Texas, Tekandi Paniagua, disse nesta quarta-feira (16) que o menino havia entrado nos Estados Unidos com sua mãe em El Paso, Texas, no início de abril, conforme divulgou a AP.

    Paniagua disse que o menino estava com febre alta e dificuldade para respirar e as autoridades o levaram a um hospital infantil onde foi diagnosticado com pneumonia.

    O menino permaneceu hospitalizado por cerca de um mês antes de morrer na terça-feira (14). O jornal Washington Post foi o primeiro a relatar a morte.

    O Departamento da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA disse que a mãe do menino teria dito aos agentes que ele estava doente já em 6 de abril, três dias depois de serem presos, e que ele foi hospitalizado no mesmo dia.

    Advogados têm questionado a capacidade da Patrulha da Fronteira de cuidar dos milhares de pais e crianças sob sua custódia. A agência diz que está sobrecarregada pela onda de famílias imigrantes que cruzam a fronteira dos EUA com o México.

    Mais:

    Trump caracteriza como 'pior dos EUA' prefeito de NY que criticou fortemente Bolsonaro
    'Fake news': Trump nega plano de enviar 120.000 soldados para conter Irã
    Trump se arriscaria em uma guerra que não pudesse vencer? Especialista explica
    Trump alerta que Irã 'sofrerá muito' se fizer 'qualquer coisa' em meio a tensões
    Tags:
    política de imigração, AP, Guatemala, El Paso, Texas, México, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar