14:31 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Caças norte-americanos F-35A Lightning II durante um voo de treinamento

    Canadá recua e muda condições de proposta dos F-35

    © Foto/ Public Domain/Sgt. Andrew Lee da Força Aérea dos EUA
    Américas
    URL curta
    175
    Nos siga no

    O governo canadense pretende permitir uma "abordagem flexível" quanto aos benefícios industriais para o novo programa de caças, o que pode facilitar uma proposta da Lockheed Martin e do governo norte-americano quanto ao projeto dos novos caças.

    A nova abordagem canadense surge após a ameaça da administração do presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar o F-35 da competição para substituir os caças CF-18 da Força Aérea Real do Canadá, segundo o portal Ottawa Citizen.

    Caso o Canadá insistisse na ideia de que os benefícios industriais e tecnológicos deveriam envolver um investimento de US$ 19 bilhões (R$ 75 bilhões) para uma nova frota de caças, então a Lockheed Martin ficaria de fora da disputa, observou o governo norte-americano.

    Isso porque o Canadá, como parceiro do programa F-35, não pode exigir à Lockheed Martin que atenda aos benefícios industriais específicos para uma eventual licitação canadense, ou seja, as nações parceiras estão proibidas de imporem requisitos sobre benefícios industriais.

    O governo norte-americano também ressalta que as empresas canadenses ganharam aproximadamente US$ 1,3 bilhões (R$ 5 bilhões) pelo trabalho prestado no desenvolvimento de componentes do F-35.

    Dessa maneira, os EUA afirmam que não podem participar de uma licitação caso haja requisitos sobre determinados benefícios industriais.

    Mais:

    F-35 não impressiona pilotos americanos, que continuam optando pelo F-22, diz mídia
    Caixa preta não conseguiu esclarecer detalhes do acidente aéreo do F-35 no Japão
    EUA pretendem frear desenvolvimento militar chinês com caças F-35, segundo general
    Tags:
    avião de assalto, avião de ataque, avião de combate, proposta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar