01:12 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Venezuela

    Turquia e Irã condenam tentativa de golpe na Venezuela

    © REUTERS / Juan Medina
    Américas
    URL curta
    9107
    Nos siga no

    Aliados de Caracas, Turquia e Irã condenaram nesta terça-feira a tentativa de golpe na Venezuela. Enquanto o presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que era inaceitável mudar o poder no país de forma não democrática, sob pressão de forças externas, Teerã pediu o fim da anarquia.

    "Aqueles que estão tentando nomear um governador para uma colônia pós-modernista, em vez do chefe eleito da Venezuela, devem saber que somente em eleições democráticas é determinado como o país será governado. Em uma democracia, o principal é as eleições", escreveu Erdogan no Twitter.

    Já o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Seyyed Abbas Mousavi, declarou que a anarquia não porá fim às divisões políticas na Venezuela, acrescentando que as negociações são a única solução possível para a atual crise.

    "Anarquia, turbulência e desordem não eliminarão as diferenças políticas na Venezuela, a melhor maneira de resolver [a crise] na Venezuela são as negociações e a criação de um mecanismo prático por todas as forças leais para resolver os problemas das pessoas, assim como assegurar desenvolvimento e prosperidade sob a liderança do governo legítimo da Venezuela", disse o porta-voz em um comunicado.

    Mais cedo nesta terça-feira, o líder da oposição Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela, pediu ao povo venezuelano e às Forças Armadas que saíssem às ruas para concluir a operação para derrubar o chefe de Estado, Nicolás Maduro.

    Maduro disse que os comandantes de todas as Regiões de Defesa Estratégica Integral (REDI) e Zonas de Operações de Defesa Integral (ZODI) declararam sua "total lealdade ao povo, à Constituição e à pátria".

    Segundo o ministro da Defesa do país caribenho, Vladimir Padrino Lopez, as Forças Armadas venezuelanas continuam a apoiar firmemente a "constituição e autoridades legítimas".

    Protestos em larga escala contra Maduro começaram na Venezuela em 21 de janeiro, logo depois que ele foi empossado para um novo mandato. Guaidó proclamou-se presidente interino logo depois, com vários países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, imediatamente apoiando sua reivindicação.

    Maduro, por sua vez, acusou os Estados Unidos de tentarem organizar um golpe para instalar Guaidó como seu fantoche. Rússia, China e vários outros países expressaram seu apoio a Maduro como o legítimo presidente da Venezuela.

    Mais:

    Maduro conta com Guarda Nacional e milícias armadas contra possível levante de generais
    Exército da Venezuela expressa apoio a Nicolás Maduro
    Rússia diz que crise na Venezuela deve ser resolvida por diálogo 'sem condições prévias'
    Tags:
    diplomacia, golpe, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Recep Tayyip Erdogan, Estados Unidos, Irã, Turquia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar