13:06 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    19220
    Nos siga no

    O chanceler brasileiro Ernesto Araújo disse nesta segunda-feira que seu governo acredita que a aplicação de sanções contra a Venezuela para pressionar a saída do presidente Nicolás Maduro é uma estratégia que ainda tem espaço a percorrer e não está esgotada.

    "[A opção de sanções] não está esgotada, precisa de algum tempo, ainda há muito espaço para isso ter seus efeitos", afirmou o ministro de Relações Exteriores após uma reunião em Washington com seu colega americano, Mike Pompeo.

    Quando perguntado pela mídia sobre o assunto, Araújo expressou seu acordo com a Secretaria de Estado dos EUA de que a posição do Brasil, dos demais países do Grupo de Lima e de Washington é "irreversível" e continuará com pressão diplomática em todas as frentes.

    O ministro também pediu "prudência" e "não esperar demais" em relação às expectativas de que a liderança militar pare de apoiar Maduro e acabe abandonando o poder.

    "O Brasil e o Grupo de Lima expressaram a expectativa de que os militares venezuelanos cumpram seu dever patriótico e se unam à transição democrática, o que seria fantástico", acrescentou Araújo, segundo uma transmissão de áudio do Ministério de Relações Exteriores do Brasil.

    O chanceler brasileiro também disse que no momento em que a Venezuela "voltar à democracia", haverá boas perspectivas de crescimento econômico e integração na América Latina.

    O encontro desta segunda-feira com Pompeo não constava da agenda oficial do ministro brasileiro e, como ele mesmo sugeriu, improvisou no último momento, aproveitando o fato de estar participando de um seminário de investimento na cidade norte-americana de Los Angeles, na costa oeste estadunidense.

    Mais:

    Venezuela quer reabrir fronteira com Brasil, revela senador brasileiro
    Brasil pode estar 'terceirizando' os interesses dos EUA na Venezuela, diz especialista
    Vice-presidente da Venezuela diz que Brasil, Colômbia e EUA estão tramando contra seu país
    Tags:
    crise na venezuela, militares, democracia, relações bilaterais, diplomacia, Grupo de Lima, Juan Guaidó, Ernesto Araújo, Mike Pompeo, Jair Bolsonaro, Nicolás Maduro, Estados Unidos, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar