18:28 24 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Venezuela e dos EUA

    Qual é a meta do centro estratégico dos EUA que convocou reunião secreta contra Venezuela?

    © AFP 2019 / Don Emmert
    Américas
    URL curta
    1313

    A reunião secreta convocada pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) dos EUA aconteceu em um contexto marcado pela ameaça de intervenção militar contra Venezuela. Mas o que é esse centro e quais seus reais objetivos?

    Previamente, o CSIS organizou uma reunião privada denominada "Avaliação do uso da força militar na Venezuela", que alegadamente será submetida às autoridades políticas e judiciais internacionais por Caracas.

    De acordo com o próprio site do centro, o CSIS é definido como uma organização de pesquisa "sem fins lucrativos" que se dedica a fornecer "ideias estratégicas e soluções políticas".

    A instituição foi criada em 1962 por Ray S. Cline, o então diretor de pesquisa da Agência Central de Inteligência (CIA), e servia como lugar "preferido dos analistas da Guerra Fria", segundo escreve o portal Voltaire.

    Já para o embaixador da Venezuela na ONU, Samuel Moncada, o instituto é um promotor das guerras americanas, que são financiadas por "corporações petrolíferas" e "produtores de armas" dos EUA.

    Na página da web do CSIS há uma seção separada nomeada de "Iniciativa Venezuela", na qual propõe como os Estados Unidos, juntamente com a comunidade internacional, devem promover "ações mais eficazes e coordenadas" para o que chamam de "dia seguinte" no país caribenho.

    Segundo o site, o centro estratégico disponibiliza essas "análises e recomendações" para a Venezuela, pois crê que uma vez que o país caribenho conta com "um governo legítimo e democraticamente eleito", a nação bolivariana enfrentará "uma variedade de desafios sociais, econômicos, de segurança, legais, institucionais e humanitários",

    Sobre isso comentou o diplomata Moncada, que classifica o centro como um dos principais "órgãos de propaganda que promovem a guerra contra Caracas em Washington". Para o embaixador venezuelano, o CSIS é tão influente em setores opostos à revolução bolivariana que conseguiu que Gustavo Tarre fosse nomeado como representante permanente "designado" pelo parlamento venezuelano, liderado pelo oposicionista Juan Guaidó.

    Moncada garantiu que Tarre, com o aval do CSIS, logo "pedirá uma invasão humanitária" na Venezuela, aludindo ao uso de meios militares para depor o governo do presidente Nicolás Maduro.

    A polêmica notícia sobre o encontro foi publicada pelo jornalista investigativo norte-americano Max Blumenthal no site Grayzone, que confirmou que a reunião prova que "as opções militares estão sendo seriamente consideradas neste momento", depois que "todos os outros mecanismos que Trump colocou em jogo parecem ter falhado".

    A crise política venezuelana se agravou depois da autoproclamação de Guaidó, em 23 de janeiro. O presidente Maduro classificou a ação como um "golpe de Estado" liderado pelos EUA.

    Mais:

    Maduro exige que Portugal desbloqueie fundos da Venezuela no valor de US$ 1,7 bilhão
    Mídia: 61 presos fogem da prisão em Nueva Esparta, na Venezuela
    Grupo de Lima pede a saída imediata de Nicolás Maduro do poder da Venezuela
    Pentágono estaria criando opções para conter 'influência' da Rússia e China na Venezuela
    Tags:
    força militar, reuniões secretas, Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar